terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Quer saber? Sou alcóolico?

“O alcoolismo não tem cura… Estou em recuperação, minha doença está estacionada. Nunca mais poderei beber. Não existe só um gole para um alcoolista… Estamos em tratamento para o resto da vida…” - Luiz Antônio, membro do AA Brasil.
Por Cristina A. Marques
O que destingue quem bebe socialmente, de quem está se tornando alcóolatra e de quem já é alcóolatra?
Segundo o doutor Winfred Overholser, superintendente do St. Elizabeth’s Hospital, em Washington, “…as linhas que separam os que bebem socialmente daqueles que estão se tornando alcóolatras e os que já são alcóolatras é difícel de ser definido pois o mecanismo biológico do alcoolismo ainda é incerto. O que sabemos com segurança é que está interrelacionado com questões pessoais de predisposição genética, saúde emocional e ambiente social. No entanto, em termos genericos, podemos afirmar, com pouca margem de erro, que:
a) O bebedor social - bebe ocasionalmente; não procura motivos para beber; para de beber quando sente que já atingiu seu limite; às vezes vai a alguma evento social e não bebe nada - mesmo com muitos bebendo em sua volta; etc.
b) O provável futuro alcóolatra - bebe com frequência (seja diária ou mesmo só em finais de semanas); procura motivos para beber; têm dificuldade de parar depois do primeiro gole; acredita que pode parar de beber quando desejar; se irrita quando dizem que estar bebendo muito; ocasionalmente diz para si mesmo que vai parar de beber, mas volta a beber na primeira ocasião; troca de bebida (!?); costuma dizer que não é bom misturar bebidas (!?); procura beber depois das 12:00 Horas, mas ocasionalmente bebe antes do almoço; começa a faltar ou chegar atrasado no trabalho por causa de ressacas; iniciar a ter apagões (se lembrando ou não do que ocorreu antes; ocasionalmente esconde bebidas; etc.
c) O alcóolatra - bebe com frequência (independente de horas, locais ou motivações); não luta mais contra o vício; acha que alcoolismo não é doença; bebe tudo que contém álcool; apaga com frequência, nada lembrando ou lembrando-se pouco do que ocorreu antes; etc.

Como saber se você é alcóolatra?
O questionário guia utilizado pelo Alcoólicas Anônimos (organização internacional com mais de 2 milhões de membros - alcoólicas em recuperação - em mais 157 países), quando aplicado por especialistas da saúde ou mesmo se respondido com sinceridade quando auto-aplicado, nos mostra em que ponto do caminho do alcoolismo nos encontramos.
Apesar da simplicidade os 12 pontos abordados neste questionário possui margem de acerto superior a 97,8%. Vale a pena conferir:

1. Já tentou parar de beber por uma semana (ou mais), sem conseguir atingir seu objetivo?
Muitos de nós “largamos a bebida” muitas vezes antes de procurar ajuda. Fizemos sérias promessas aos nossos familiares e empregadores. Fizemos juramentos solenes. Nada funcionou. Agora não lutamos mais. Não prometemos nada a ninguém, nem a nós mesmos. Simplesmente esforçamo-nos para não tomar o primeiro gole hoje. Mantemo-nos sóbrios um dia de cada vez.

2. Ressente-se com os conselhos dos outros que tentam fazê-lo parar de beber?
Muitas pessoas tentam ajudar bebedores - problema. Porém, a maioria dos alcoólicos ressente-se com os “bons conselhos” que lhes dão. (não impomos esse tipo de conselho a ninguém. Mas, se solicitados, contaríamos nossa experiência e daríamos algumas sugestões práticas sobre como viver sem o álcool).

3. Já tentou controlar sua tendência de beber demais, trocando uma bebida alcóolica por outra?
Sempre procurávamos uma fórmula “salvadora” de beber. Passamos das bebidas destiladas para o vinho e a cerveja. Ou confiamos na água para “diluir” a bebida. Ou, então, tomamos nossos goles sem misturá-los. Tentamos ainda beber somente em determinadas horas. Porém, seja qual for a fórmula adotada, invariavelmente acabamos embriagados.

4. Tomou algum trago pela manhã nos últimos doze meses?
Estamos convencidos (por experiência própria) de que a resposta a esta pergunta fornece uma chave quase infalível sobre se uma pessoa está ou não a caminho do alcoolismo, ou já se encontra no limite da “normalidade” no beber.

5. Inveja as pessoas que podem beber sem criar problemas?
É óbvio que milhões de pessoas podem beber (às vezes muito) em seus contatos sociais sem causar danos sérios a si mesmos, ou a outros. Você parou alguma vez para perguntar-se por que, no seu caso, o álcool é, tão freqüentemente, um convite ao desastre?

6. Seu problema de bebida vem se tornando cada vez mais sério nos últimos doze meses?
Todos os fatos médicos conhecidos indicam que o alcoolismo é uma doença progressiva. Uma vez que a pessoa perde o controle da bebida, o problema torna-se pior, nunca desaparece. O alcóolico só tem, ao fim, três alternativas: beber até morrer, ser internado num manicômio ou afastar-se do álcool em todas as suas formas. A escolha é simples.

7. A bebida já criou problemas no seu lar?
Muitos de nós dizíamos que bebíamos por causa das situações desagradáveis no lar. Raramente nos ocorria que problemas deste tipo são agravados, em vez de resolvidos, pelo nosso descontrole no beber.

8. Nas reuniões sociais onde as bebidas são limitadas, você tenta conseguir doses extras?
Quando tínhamos de participar de reuniões deste tipo, ou nos “fortificávamos” antes de chegar, ou conseguíamos geralmente ir além da parte que nos cabia. E, freqüentemente, continuávamos a beber depois.

9. Apesar de prova em contrário, você continua afirmando que bebe e pára quando quer?
Iludir a si mesmo parece ser próprio do bebedor problema. A maioria de nós que hoje nos encontramos., tentou parar de beber repetidas vezes sem ajuda de fora. Mas não conseguimos.

10. Faltou ao serviço, durante os últimos doze meses, por causa da bebida?
Quando bebíamos e perdíamos dias de trabalho na fábrica ou no escritório, freqüentemente procurávamos justificar nossa “doença”. Apelamos para vários males para desculpar nossas ausências. Na verdade, enganávamos somente a nós mesmos.

11. Já experimentou alguma vez ‘apagamento’ durante uma bebedeira?
Os chamados “apagamentos” (em que continuamos funcionando sem contudo poder lembrar mais tarde do que aconteceu) parecem ser um denominador comum nos casos de muitos de nós que hoje admitimos ser alcoólicos. Agora sabemos muito bem quais os problemas que tivemos nesse estado “apagado” e irresponsável.

12. Já pensou alguma vez que poderia aproveitar muito mais a vida, se não bebesse?
Não podemos resolver todos os seus problemas. Porém, no que se refere ao alcoolismo, podemos mostrar-lhe como viver sem os “apagamentos”, as ressacas, o remorso ou o desconsolo que acompanham as bebedeiras desenfreadas. Uma vez alcoólico, sempre alcoólico. Portanto, evitamos o “primeiro gole”. Quando se faz isto, a vida se torna mais simples, mais promissora e muitíssimo mais feliz.

Resultado
Se respondeu SIM a quatro ou mais questões, sinto dizer-lhe, mas ou você já é um alcóolatra ou brevemente o será! Esta categorica afirmação não é mera teoria, mas resultado de milhares de estudos, observações e experiências realizadas com alcóolicos recuperados.

O que é Alcoolismo?
É o consumo consistente e excessivo e/ou preocupação com bebidas alcoólicas ao ponto deste comportamento interfira com a vida pessoal, familiar, social ou profissional da pessoa. O alcoolismo é a maior doença social do nosso tempo, atingindo 12,3% da população mundial. “É uma doença progressiva, incurável e fatal”, resume Nilo, membro do AA Brasil.
E, ao contrário do que muitos imaginam se não tratado a tempo o alcoolismo resulta em doenças psicológicas e fisiológicas, causando a morte de 2,3 milhões de pessoas por ano (3,7% da mortalidade mundial), segundo a OMS - Organização Mundial de Saúde.

Quando buscar ajuda?
A barreira inicial a ser rompida pela família e amigos de quem está a um passo para se torrnar alcóolatra é a dificuldade e faze-lo entender que a bebida se transformou em um sério problema em sua vida. Nessas situações a ajuda de familiares, amigos(as) e orientadores do AA - Alcóolicos Anônimos - é imprescindível para o início do tratamento com sucesso.

Tratamentos
Não existe cura para o alcoolismo ou qualquer caso de dependência química. Só existe tratamentos que, por envolver questões de genética, psicologica e biológica são complexos e seus resultados dependem basicamente do estado do paciente. E na grande maioria dos casos o próprio paciente não consegue perceber o quanto está envolvido com a bebida, negando continuamente sua dependência, sua falta de controle e até mesmo o uso! Nestes casos o tratamento é iniciado conscientizando o paciente a reconhecer seu problema, da necessidade de abster-se o álcool e iniciar um tratamento, inclusive com internação para desintoxicação.
Há diversas evidências de que os tratamentos comportamentais cognitivos objetivando melhoras do autocontrole e das habilidades sociais contribuem consistentemente com redução do alcoolismo.

Entre as formas de tratamento mais indicadas atualmente está o programa dos 12 passos - do AA, baseado na aceitação da doença, enfrentamento e prevenção a recaída. Estudos também indicam que o apoio da família no processo de tratamento do alcóolatra contribui decisivamente com a melhora dos resultados.

As recomendações atuais para tratamento do alcoolismo, envolvem duas etapas:

a) Desintoxicação - Geralmente realizada por alguns dias sob supervisão médica, permite combater os efeitos agudos da retirada do álcool do organismo. Dados os altíssimos índices de recaídas, no entanto, o alcoolismo não é doença a ser tratada exclusivamente no âmbito da medicina convencional.

b) Reabilitação - Depois de controlados os sintomas agudos da crise de abstinência, seja por meio de internação ou através de tratamento ambulatorial, os pacientes devem ser encaminhados para programas de reabilitação, cujo objetivo é ajudá-los a viver sem álcool no sangue, como os grupos de auto-ajuda (AA). É oportuno lembrar que as recaídas são comuns nos pacientes alcóolatras.

Tipos de Tratamento
Tratamentos psicossociais, Terapias comportamentais cognitivas, Terapias comportamentais, Terapias psicodinâmicas/interpessoais, Terapia conjugal e familiar e Intervenções Breves.
Familiar precisa de tratamento?
É difícil conviver com membro da família que tem problemas com bebida. Ao invés de tentar controlar esta pessoa ou encobrir o problema, encoraje-a a buscar ajuda no AA e tratamento apropriado. Ainda que seu familiar se recuse a pedir ajuda, vá atrás de ajuda e suporte para ele e para você mesmo.

A onde encontrar ajuda?
Brasil
1. AA Brasil - Plantão 24 Horas:11 3315-9333
2. Alcoolismo - Dê a volta por cima. Marque a região onde mora e veja o endereço mais próximo onde poderá receber ajuda.
Portugal
1. AA Portugal - Para maiores informações: +351 217 167-840
Outros países
1. Links internacionais
Fontes
1. Alcóolicos Anônimos - Brasil
2. Alcoolismo - Dê a volta por cima. Um dos sites referência mundial sobre alcoolismo em português.
3. Alcóolicos Anônimos - Portugal
4. GAABP - Grupo de Alcoólicos Anônimos - Brasil-Portugal
5. Wikipedia
6. Alcoholics Anonymous - World Services, Inc
Enviar um comentário