sexta-feira, 10 de julho de 2009

Poetando / Momentos




Sambam
palavras
do nada.


Soltas,
ritmadas.


É frevo?
É baião?
Que nada!


É doce balada
na madrugada.


S-A-L-T-I-T-A-N-D-O
A-M-O-R


Num jogo de pernas,
de braços,
de compassos,
de atos!
Dançam e dançam e dançam!
E não é preciso dizer
mais
N-A-D-A


Tata Junq
Enviar um comentário