segunda-feira, 27 de março de 2017

Do Projeto, Crônicas Esparsas : João.


                                                                 ( Imagem por pesquisa. / Google.)


 nuvens no céu,aborrecidas,chovendo nos marços-da-vida.
Tal coração,quente e sofrido,de João,de Maria, de todos os incompreendidos.
João acorda e se envolve na preguiça.
Levantar pra quê?
Aproveita ainda a sombra,enquanto não lhe invade,frestas,a luz forte da manhã.
O Sol brilha. A alma de João,quer dormir,quer breu ou cinzas.
Há muito,João morreu pra vida.
Embrulha-se no lençol fétido de urina.
Não tem fome.
Vezes,levanta a cabeça,espia e dorme.
Assim foi,até seu prazo expirar-se.
João,num dia de inverno,morreu.
Frio,fria alma,frio corpo.
João virou alma-moleque,correndo,buscando colo de mãe.

Tata Junq
Enviar um comentário