terça-feira, 18 de junho de 2013

Do Projeto, Palavras ao Vento: Nunca mais voltou ...




Como máquina de trituração ... moídos estão, meu corpo e alma.
E, paira no ar, uma tristeza desmerecida...
Choro,choro, como sempre faço ...
Os olhos ardem ... o íntimo queima ...
Chorona,eu?
Desde petetica ...
Sou Oceano ...
Queria mesmo era estar no jardim da casa de minha avó ... e entre curiosidades,comer flores ...
E ter no peito sementes germinadas ... para uma florada linda ...
Ahhhh ...queria margaridinhas, miosotes ... e, borboletas saindo até pelos ouvidos ...
Sorrir de tudo isso ... abraçar uma manhã quentinha,ensolarada ...
E perceber que as misérias humanas, servem pra contarmos histórias ... ou estórias?

Era uma vez uma garotinha chorona, que um dia de tão água,virou rio e foi de encontro ao mar ...
E abraçou barcos e gente,numa calmaria,sem igual.
Águas serenas, mansas da cor de seu olhar.
Águas de alma doce,que atirou-se ao mar.
E um dia, de tão profunda,virou correnteza ...
E foi ... e foi ... e foi ... e nunca mais voltou.

Tata Junq
Enviar um comentário