quinta-feira, 6 de abril de 2017

Do Projeto, Crônicas Esparsas : DOR,tão dele.


                                                 ( Imagem por pesquisa. / Google.)

Dobrou os joelhos em dor.
Se pensa,que em desistências,enganou-se.
A dor era profunda,além das entranhas.
E,chorou.
E no silêncio d'alma,curvado,sentiu a dureza do chão ... dos joelhos,somente apoio.
O peito,o estômago,pareciam um só ...retorciam.
E,chorou.
Chorou todas as desgraças,os fracassos,o desamor de si.
E,chorou.
E,chorou e chorou.
Soluçou compulsivamente.
Pra depois,levantar-se ...em esforço.
Limpou o rosto,o nariz gotejante ... e seguiu o pequeno atalho,que o levaria pra casa,onde nasceu.
Lá veria seu velho pai e sua mãe,morta,ainda na cama.
Não houve tempo hábil para vê-la,viva e num último abraço,dizer do seu amor e pedir sua bênção.
Na fronteira da dor,curvou-se.
Sequer lembrou-se menino,com atiradeira na mão ... nem do canto dos passarinhos ou piados,que vinham  da mata ... que rodeava a casa de sua infância.
Assim como um dia se foi,veio.
Homem-menino. Menino- homem.
Uma mescla.
(Perdido em dor,rever seu maior amor.)

Do Projeto, Crônicas Esparsas.
Por, Tata Junq

Enviar um comentário