segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Prosopoetando : Bom dia!


                                        ( Imagem por pesquisa / Google )


Nasce a palavra
tão doce,
afável,
angelical,
contida,
serena,
qual eternidade.

Bebo saudade,
numa xícara
de
café.

Então,
absorvido está,
meu bom dia,
quente,
em verdade.

E não há partilha,
só fumaça em minhas ventanas.
Aroma tão somente meu.
Olhar perdido,
 meu.

Não há janela.
Não há porta,nem cama.
Nem bandeja,nem banco sob a mesa.

Só a xícara nas mãos e paredes.
Café a matar minha sede.

Fome não há.
Desejos,não há.
Só saudade,
represada,
sem saídas.

E,uma boca amarga.

E, palavras perdidas,que não ecoam.

Bom dia!

Tata Junq
Enviar um comentário