quarta-feira, 22 de outubro de 2014

( Crônicas Esparsas / Memórias / Uma Alma Feminina. ) CAPAZ! BAH! ( Pensamentar & Imagens & Música)




( Desenho retirado do Google,tem assinatura)

                             ( Imagem retirada do Google,tem assinatura.)

Busquei-te nos quatro cantos da casa.
Mesmo sabendo do vazio de cada ângulo dela.
E a falta de tua sombra,desmorona-me.
O Sol deixou de coexistir.
Teimo em visitar esta casa em abandono ... e, hoje faz frio intenso.
Encolho-me na solidão,ouvindo teimosamente tua risada,impregnando
a cozinha desarrumada e dizendo-me:
-Tu senta aí,guria!
Eu,curiosa,espiava tudinho,e feliz,saboreava as guloseimas ofertadas e
bebia aquele sorriso tão solto,e admirava aquele bigode molhado do tererê.
Meu avô era forte,um homem vibrante e trabalhador.
Mesmo tendo ficado tão triste e arredio,com morte da vó,passou a diferença,
como enxada de lida,ritmada,violenta.
Mas sua vida,sua lida,era campeira.
Eu cresci,invadindo sua cozinha.
Seu coração desajeitado,abrigava-me.
Seu otimismo,franqueza e amor,eram luz em meu caminho.
Quando triste,corria pra seus braços fortes e seu colo.
Só fugia da yerra ...que eu pelejava de dó ..
Mas,amochar,carnear,casquear,esquilar,capar,marcar,laçar.tocar o gado,era sua vida,tornando-omásculo,tão poderosamente,forte. 
Eu cresci e fui pra longe estudar ... muito longe,além mar.
Num dia,que já era chuvoso e triste,a angústia pairou no ar ...e eu tive notícia de sua morte.
(E nem pude voltar ...)
Vacilo aqui nos degraus  da escada,entre sair de vez e não mais voltar ...
E, é tão forte o que sinto ...
Quisera poder ter um último abraço,um último sorriso ...
Mas ... tudo é vazio,perdido no pó do abandono,e teias ... triste demais.
Não há Sol,nem sombra para eu correr atrás,como fazia,sendo criança,acompanhando-o,num pequeno trecho,à caminho da lida.
Nem sombra de mim.
Vou-me,sem olhar pra trás.
Somente sinto o vento gélido de uma manhã,sem gosto de quero mais.
Levo seu sorriso n'alma,dizendo-me:
- Vai ,guria!Te dou coça de laço!!!
E,ria.
Bah!
Capaz!
E,sem ximia pra passar no pão, eu vou,pra nunca mais voltar.

( Crônicas Esparsas  / Memórias / Uma Alma Feminina. )
( Tata Junq)


***********************************
PESQUISA
Um vídeo-canção,dando-nos mostra da vida dos tropeiros ...
 História!
Bacana poder deixar algo da Cultura Gaúcha ...




TATA JUNQ
Enviar um comentário