segunda-feira, 30 de maio de 2011

PENSAMENTANDO: RIOS SEM DIREÇÃO?




RIOS, SEM DIREÇÃO?


As águas não são límpidas, como o riacho, formado da fonte-segura.
Espreito sua formação.
E, sigo o caminho formado, que torna-se caudaloso. As águas escurecem. Vejo as margens ... a mata, os pássaros em revoada.
Minha embarcação é rudimentar, mas é forte.
Os  braços é que enfraqueceram para direcionar os remos, e fazê-los adentrar às águas.
Sigo, porém.
Horas, remo, horas, a correnteza leva-me.
Rios, sem direção.
Há chuvas, há ventos, há Sol ... pássaros retirantes...
Eu, também retiro-me a cada dia ... passo por pedreiras, desvio das cachoeiras, firmo-me nas correntezas, vezes durmo na calmaria.
Um dia desembocarei no mar, no infinito-mar-da-solidão.
E serei sereia-encantada. Já disse isso, em versos.
Meu olhar será confundido, nas águas-esmeralda.
O choro, as lágrimas cessar-se-ão. ( - Serão, águas -esmeralda!)
Cantarei, a canção mais linda ... mas não tentarei iludir ninguém, para vir comigo. ( rsrsss ...)
Serei sentido!
As águas do mar, serão meu reduto.
Terei forças, mesmo não estando contigo,na solidão de meu abrigo...

MAR!


AMAR!

AMAR!

AMAR!


SERENANDO,FEITO: SEREIA.

Tata Junq
Enviar um comentário