terça-feira, 8 de agosto de 2017

A Morte de Serafina Brandão.( Contando Estórias.)


                                          ( Imagem por pesquisa. / Google.)

Ela rezou sem medos ... até que a rajada de vento levou seu telhado.
Desnudando até sua alma.
Destravou boca,que sussurrava aos Céus,e gritou,até que ficou rouca ... e murcha.
Estava só.
Nem Deus,nem Anjos.
Só. 
E o frio cortava suas entranhas,até.
Medo.
Escuridão.
Nem estrelas,nem Deus,nem nada.
Depois do depois da dor.
Sangrava.
Ela sabia ... já não mais sentia as pernas.
Uma noite,que pareceu eterna.
Amanheceu exaurida. 
Via o céu,cinzento ... sem sol,sem esperanças.
Rezou novamente e fez encomenda de sua alma, como aprendera com os antepassados.
E,sonhou ... de olhos abertos,com mãe,pai e irmãos lhe sorrindo ...
- Calma lá! Já to indo!
E sorriu,chorando de alívio.
E o vendaval retornou,e levou sua alma,brilhando sem sol,em sorrisos!
Assim,corre o causo da Serafina.
Hoje, terra de ninguém,na fazendinha.
Os fantasmas,moram lá.
( Dizem.)
Quem se atreve?
Botaram cruz na estrada,próximo à entrada.
Dizem,que as corujas piam por lá e estão de olhos bem abertos.
É ...vou acrescentando ... os ventos costumam uivar,como lobos.
Dizem,que todos retornam nas madrugadas ... riem,proseiam e vão-se embora.
Quem paga pra ver?!
...
Eu,só conto histórias em estórias...
Ou ... estórias em histórias?
Serafina Brandão,mora no céu ...
Ou na Fazenda Das Corujinhas?
Sei não ... sei não!

Tata Junq // Do Projeto,Contando Estórias.
Enviar um comentário