quinta-feira, 15 de junho de 2017

Poetando às avessas:O porquê dos porquês.



Um pretexto,
um protesto,
um apelo,
um erro,
um acerto,
um acervo,
incontestável.

A vida,
gera
e gira.

Não sonho.
Não crio.
Não nego.
Não afirmo.

Sou curva sinuosa,
sem retas
ou
paralelas.

Não desfilo,
destilo
impropérios
aos amargos,
que amargam
outras vidas.

Foda!
Fdp!
Caralho!

Extravagantemente,
deselegante.

Tata Junq
Enviar um comentário