sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Do Projeto,Crônicas Esparsas: Aquele homem.

                                                   ( Imagem por pesquisa. / Google.)

No bolso da camisa,numa transparência,o maço de cigarros.
Parou,acendeu mais um cigarro,entre os tantos,que já consumira no dia.
E sua cara era de satisfação,prazer.
(Como se aquela fumaça o edificasse.)
Até sua postura transformara-se ...
Esguio,parecia ter o poder ... até que engasgou.
No primeiro momento,pensei:"bem feito!"
(Sem dó nem piedade.)
Andava cansada de ser fumante passiva,mesmo estando naquela praça.
Mas meus pensamentos entraram em colapso e fui tomada de um arrependimento desesperado.
Parecia convulsionar ... e foi acudido ... e senti nojo da respiração boca a boca,que um homem
realizou.
(Não por ser homem colando boca de outro homem.)
Nojento assoprar aquela boca,que fedia nicotina e alcatrão e escondia aqueles dentes amarelados.O bafo daquele homem era horroroso.
Veio a ambulância,chamada.
...

Não o tendo visto mais ... após uns meses,perguntei : - e ele?
- Morreu?
- Hanham ..
(Disseram-me.)
No mínimo,enfartou,retruquei.
- Hanham!
- Isso que dá fumar tanto ...
- Na verdade,trocou os cigarros por batatas fritas...
-Tá de graça,comigo,né?
- Loucura,gordura,loucura!
(Resposta obtida e séria.)
Estou a pensar agora ... e só não rio,por respeito ao morto,e pra rimar,como dizia minha falecida avó,"pau que nasce torto,não tem jeito,morre torto"!
- Morto!
- Pau torto!
E prossigo meu caminho ...
Não sendo fumante,prometo a mim mesma não mais entrar nos "food" da vida... e os beiços salivam ao pensar nas fritinhas molhadas na maionese ...ou catchup ...
Afffffffffffffffffffffffffff...!!!!

( Eu crio,invento ...rsrs ... qual pé-de-vento!)

Tata Junq


Enviar um comentário