terça-feira, 29 de novembro de 2016

Sem mais,nem menos,mesmo.



Eu creio.
Eu crio.
Eu desarranjo a lógica,ilógica,dos versos.
Brancos,sem rimas,sem estrofes.
Canto.
Sorrio na vontade do canto,que ficou depositado,
no segmento.
Abraço o tempo,irredutível.
Nem mais,nem menos.
Canção em Ode,pode.
Ecoa.
E vai.
E vou.
Maremolengando,
suave,
amor.
( Em dó maior.)
Nem mais,nem menos.

Tata Junq

Enviar um comentário