quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Num quando,que desconheço.




Que há de ser da dor?
Se,não, minha companheira.
Que há de ser da vida,senão,sequência?!
Não morremos.
Mudamos de rumo,e renascemos.
A dor,sim,esta nos abandona.
Então,não se penalize de mim.
Tenha-me em lembranças,
amante da vida.
E,sorria.
De algum ponto,eu também sorrirei.
Depois do susto,olharei pra trás,mas irei em paz,
para possíveis abraços,na fronteira das ignorâncias,
de coisas,que nem sei.
Só a certeza que,somente,amei.

Tata Junq

Obs: Ah,sim! Assim ... espero, que não por hora ...rsrs ...
18/08/2016
Enviar um comentário