quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Do Projeto,Uma Alma Feminina: Linda Maria, o seu nome.



Assim solitária,meio que lunar,foi ela,durante uma vida.
Linda e inatingível.
Não se deixou invadir.
Assim foi Linda Maria,seu nome.
Foi serenar no céu!
Do manicômio,foi refém.
Surtou,menina ainda.
Aquela cidade,tão pequena e em atrasos,ainda,revela-me fatos.
Histórias,que o povo conta.
Possuída por demônios!
Exorcizada,pelo clérigo,com métodos absurdos,aceitos pelo povo,porque sua postura era lei.
Depois de dias consecutivos,seus grunhidos e guturais sons,foram cessando.
E,num domingo,dedicado aos Anjos,ela emudeceu.Seus olhar ficou distante,perdido.
Tinha lindos olhos esverdeados,rosto tão lindo e angelical.
Diziam, que tinha virado Anjo.
Hoje,Linda cerrou seu olhar,aos 98 anos.
Há uma romaria na cidadela. Todos querem olhá-la,tentar tocá-la,buscando milagres.
É certo pensarem,que virou Santa.
Crendices.
Vim para Lusitana,para averiguar dados,convidada por um amigo,que um dia passou aqui ao acaso.
Disse-me,que seria perfeito para teses que desenvolvia.
O que menos esperávamos,era seu desencarne.
Lógico,que ao passar do tempo,o Abrigo dos Loucos,fora desativado.
Linda Maria foi cuidada pelas Irmãs de Caridade,as Carmelitas.
Pude vê-la,numa visita rápida,na semana retrasada ... depois de muitos argumentos e mostrando minhas credenciais.
Era gordinha,baixa e evasiva.Tomou um chá com dificuldades.
Desisti de perguntas,porque nem ao meu boa tarde respondera. Aliás,falavam por ela.
Soube então,que em todos esses anos,jamais emitira uma só palavra.
Gemidos,uns tantos,quando banhavam-na e trocavam suas vestes.
Soube pelas línguas-de-trapos da cidade,que teria muitas marcas no corpo,das lambadas,que levara,
quando nas tentativas de expulsarem seus demônios.
Gemeria de dores atuais? Ou pelas marcas d'alma de menina?
Havia flores no quarto.
Nem sei se porque eu e Geraldo estaríamos por lá.
Era um quarto pequeno,mas muito limpo.
Deveras,limpo.
Estava semi sentada,para poder tomar seu chá.
Os cabelos,muito bem cuidados,pareciam painas,de tão branquinhos.
Vi uma beleza,serena.
Mas vi também uma distância,que se estabelecia,como se ali,não estivesse.
Mecanicamente,qualquer movimento,tão minimizados.
Posso pressupor,mas nunca saberei sua realidade. Viveu no paralelo.
Pobre criatura.
Queria esmiuçar ... mas não tive acesso às suas fichas médicas.
Não quero participar do funeral.
Geraldo o fará.E sei, que fará registros fantásticos,porque não lhe falta talento,como exímio fotógrafo,que é.
Eu observo minhas anotações e gravações dos depoimentos conseguidos.
Quero estar tranquila e racional.
Mas aquele olhar me pegou de jeito.
Imagino seus olhos fechados,merecidamente em paz.
Já estavam para o mundo dos "normais".
Normais?
Quem,loucos?
Que é sanidade?
Que é Anjo?
Que é Demônio?
Quem foi Linda Maria?
A que veio ao Mundo?
Perder-se no tempo?
Olho a janela,fecho-a, num ímpeto.
Quero o escuro breu ...
Experimentar o impreciso.
Mas não consigo.
Minhas idéias,ruminam dentro do meu cérebro,em tormentas.
Vim prum Fim de Mundo ...e nada tenho de respostas.
O Mundo da Demência é pesado.
Muito a estudar ainda.
Insatisfeita,amanhã retorno à Capital.
Longo caminho.
Longo caminho,o do conhecimento também.

Cris Monteiro
( Uma Alma Feminina.)
( Do Projeto,Uma Alma Feminina.// Tata Junq)

Enviar um comentário