quinta-feira, 25 de agosto de 2016

A um querido "Velho", seja qual for,esteja onde estiver,meu respeito.




Quando ternura-novidade, fui,mergulhado em sisais.
Trama fui marcado.
Virei tapete.
Virei lembrete.
Bem vindo ao lar.
Sujaram minha beleza.
Nas pisadas,marcas.
Em sujeiras,um sorriso esquecido.
Assim torcido,
depois de lavado,
sem graça,
sem viço,
Já não se lê,nenhum aviso.
Assim eu,tapete velho,
na porta dos fundos.

Do Projeto, Uma Alma Masculina

Velho Antônio
( Por Tata Junq)
Enviar um comentário