quarta-feira, 1 de junho de 2016

REGISTRO : Nó das Idéias!



Nem tudo são flores.
Nem tudo é desamor.
Nem tudo é rebeldia.
Nem tudo é covardia.
Nem tudo é sequência.
Nem tudo é dia.
Nem tudo é noite.
Nem tudo é padronizado.
Nem tudo é ajustado.
Nem tudo é largado.
Nem tudo é malogrado.
Nem tudo é consumado.
Só fica a sensação,de estar do outro lado.
Sem desvios.
Sem ângulos.
Sem alcances.
Assim,sim, o racionalismo,operante.
Nem tudo são flores,mas há frutos.
Nem tudo é desamor,mesmo causando dor.
Nem tudo é rebeldia,na medida de ação.
Nem tudo é covardia,no recuar com precisão.
Nem tudo é sequência,quando busca-se um lado da bifurcação.
Nem tudo é dia,num clarão.
Nem tudo é noite,no apagar da luz.
Nem tudo é padronizado,quando quebra-se uma sequência.
Nem tudo é ajustado,quando muda-se de lado.
Nem tudo é largado,quando há um achado.
Nem tudo é malogrado,quando um êxito é alcançado.
Nem tudo é consumado,sem um fim alcançado.
Nem tudo é o que é!
Nem o que é,é tudo.
Nem o nem,torna-se também ...nem tão bem.
Nem serei convicta de nada.
Nem nada,versus nada,é igual nada.
O nada ainda é.
Certezas,inexatas.
Eu existo.
Você,imagem?
Vice-versa?
Hoje sei apenas,que não versejo,não sou poeta.

Tata Junq


Enviar um comentário