quinta-feira, 30 de junho de 2016

Do Projeto,Palavras Ao Vento: Palavras minhas & Palavras dele,musicada.




Nos desencontros,
descobertas.
E a solidão
é
varrida,
com vassoura-piaçava.
Poeira
no
ar.

Tata Junq


&


"Eu apenas queria que você soubesse, 

Que aquela alegria ainda está comigo,
E que a minha ternura não ficou na estrada, 
Não ficou no tempo presa na poeira."

( Gonzaguinha.)




Poetando às avessas ...Musicando & Ilustrando : VOU!



(Imagem por pesquisa. / Google.)                                                                           


Lá,vou!
Vou lá!
Pra onde vou?
Sigo a seta.
Sigo meta.
Sigo trilha.
Sigo certa?
Irreverente,
às avessas!

Tata Junq







Musicando & Ilustrando & Pensamentando: Eternamente.

( Imagem por pesquisa. / Google.)

ETERNAMENTE:
MENTE.
CORAÇÃO,
FENECE,
É
TERRENO.
AMAR,
TRANSCENDE.

Tata Junq



quarta-feira, 29 de junho de 2016

Pensamentando & Musicando : Consertar?????


Não acho,que há situações certas,hora para,consertos!
Conserta-se mesas!
Conserta-se armários!
Conserta-se sapatos!
Adequa-se,o conviver?
Conserta-se o que está desgastado num relacionamento?
Conserta-se, o que supostamente,está acabado?
Complicado.
Sei apenas,que não dá pra "arrastar"convívios, pra não machucar,ferir ...
E o "conserto"não pode partir de um,quando o outro não quer.
Bom ...
Segue a canção de bom balanço e valor criativo.
No mais ...
Inté!
Tata Junq

Pensamentando ... PESSOAS em FLUXO.




Ao abrir os olhos,janelas fechadas,seu sorriso.
Seu bom dia.
Partilha do café,algumas risadas.
E, o: - como foi sua noite?
Estou indo. Estou vindo.Estou chegando.
...
( Sem mais detalhes... rsrs ...)
Assim,presentividade.

A vida nos surpreende,com o fluxo das pessoas,que vão e vem ...
Há, as que prometem,sem o poder do cumprir.
Há, as que se esforçam, por estarem próximas.
Há, as que se ausentam, pela morte física.
Há aquelas, que morrem pros outros,sem sequer um adeus.
Há aquelas, que querem estar juntas e podem.
Há aquelas, que querem estar e nem podem.
Há aquelas,que vão chegar.
Há aquelas, que estão.
Há aquelas, que ficaram pra trás.
Há aquelas,que nos cuidam.
Há aquelas,que temos de cuidar.
Um vai-vem!
Um vai-lá!
Um vem-vem!
Assim,a vida é.
Uma estrada ... ora com via única,ora com bifurcações e,ou paralelas.
E as pessoas,tocam-se de alguma forma.
Vezes,num olhar.
Vezes,num gostar.
Vezes,num amar!
Vezes,indiferentes.
Vezes,comoventes.
Vezes,simpatia e empatia!
Vezes,dor.
Vezes,alegrias.
Vezes,sorrisos.
Vezes,desafios.
Nesta manhã,fria,reflexiva,analiso meu percurso.
Não dá pra buscar tantas e tantas pessoas ...
Mas há agora a importância de uma vidinha,linda,com cuidados especiais.
Eu agradeço minha vida,a dela ...minha missão de avó.
Agradeço as oportunidades da vida, que me fazem crescer,ainda.
Tudo pode acontecer,menos perder minha sensibilidade,e o amor, que trago no peito.
Esse tem jeito ...em qualquer estrada ...

Tata Junq

Poetando às avessas: COERÊNCIA.




COERÊNCIA

Pateta!
Parenteses!
( ... )
Colchetes!
[ ... ]
- etes
- etc...
Falcete!
Chaves!
{ ... }
Interrogações?
Exclamações!
Entre Aspas!
Vil!
Viu?!
Entre graças!
Entre muros!
Entre paredes!
Entre entranha,
um
coração,
em 
mágoa.

Tata Junq

terça-feira, 28 de junho de 2016

ETAPAS: Quando, o planejado,algoz. ( In Memoriam)



In Memoriam

E lhe vi.
E não reconheço o que vi.
Entrei no seu olhar e você no meu.
Sua boca buscou a minha,a minha se entregou ...
Roubou meu fôlego,meu sopro.

E as palavras?
Perderam-se.

Foges na covardia.

Abandono.
Indiferença.
Mudez.

Busco razões,sem sequer saber, se as tem.

É como um vulto,que se instalou e se perdeu.
Vezes pergunto se foi real.

Deixou misérias de amor...ou,nem sequer nada deixou.
Um aceno,como a chegada,a saída.

Quem semeia vento,colhe tempestade!
(Já dizia minha avó.)

Eu,devaneio,criei você,criatura.
Quando você é tortura,demônio sem asas!
Que me espreita à noite e me devora.

Eu,cadela no cio!
Em arrepios.
Perdendo-me,perdendo-me...
Perdi-me!

Qual areias secas,escorrem de meus dedos...
Rei morto,rei posto.

Cruel vingança...
Mato-lhe aos bocadinhos,saboreando cada pecado.

E gargalho em arrepios!
E solfejo em notas mortais.

E quebro espelho.
Não me vejo mais.

Se não me vejo,não lhe vejo a matar meus desejos.
Se não me vejo,coração nem bate.
Se não me vejo,
ressuscitarei,qual Lázaro.

Se vivo,matei-lhe.
Planejado.
MORTO & SEPULTADO!

Tata Junq

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Poetando & Musicando: Voar,voar,voar!


Nos Mares
de
mim
profundezas
e
tristezas
e
esperanças
malogradas.
Escafandro,
em
peso.
Ar

fora
rarefeito,
sufocante.
Imergir,dói.
Emergir
é
ter ciência
das
verdades.
E,dói também.
Então,
voar!
Voar!
Voar!
Asas ao vento!
Cantando uma canção.
No alto,
coração,
pra que
não 
despedace
no
chão.

Tata Junq


sexta-feira, 24 de junho de 2016

#quemnaosecomunicasetrumbicaaaa ... // Pensamentando,aqui com "meus botões" ...

Resultado de imagem para chacrinha desenho
( Imagem por pesquisa //Google.)

Quantos recursos há hoje em dia, para a comunicação?
Enumere ...
Vezes,penso em retroceder ... sinais de fumaça? Tambores...sons propagantes?
Energias a cada toque, ou visualização de imagens?
Porém tudo seria padronizado.Emissor e receptor,teriam de ter o conhecimento do "mesmo linguajar"...
( Código.)
Correto?
Não haveria comunicação, se não o fosse.
(Padrão básico: Teoria da Comunicação.)
Temos Letras e Símbolos ... ao alcance.
(Tratando-se da comunicação escrita.)
Há oralidades,gravuras,pinturas,sons ... tudo o que sempre existiu,mas mais trabalhado.
Transposto.
A"modernidade" criou Sistemas,gerou inovações ... as civilizações as "abraçaram".
Todos chegam a todos ...em qualquer ponto do Mundo.
Quanta enrolação e balelada!!!!
Idéias fervilham "num balaio de gato"!
E o desconforto em ebulição,qual água fervente pra passar café.
(Aliás, unzinho,iria muito bem,agora.)
E, pergunto-me,por quê, uma criatura deixa de se comunicar com outra?
Tendo "ferramentas-mil"para um comunicado?!
Nem penso em obrigações,penso em "camaradagens",quando se estreitam amizades.
Considerações,mesmo.
Com tantos "meios de comunicações"!!!!!!
Ora viva,pois,pois!!!!
Descobri a RODA!!!!!
Tudo roda,como a roda!
(Sentido literal.)
Num ciclismo temporal.
Ontem,hoje,amanhã ...e ontem,hoje e amanhã ....e,assim sucessivamente.
Quem fica fechado num tempo,circulado e preso?!
Pessoas com vínculos?
Ora,pois!
Fica quem quer,orbita,quem queira.
Simples assim!
Temos o poder de poder cair fora,de um ciclo vicioso.
De sair fora de qualquer contexto-social,que não se queira.
Mas ... "CARA",.. desde que o Mundo é Mundo,mesmo quando o homem "grunhia"...ele se comunicava...dizia de suas satisfações ou insatisfações.
Eu esperei um telefonema,um bilhete,um torpedo,uma mensagem na caixa postal,uma carta,um in box com mensagem,que atendessem um telefone ...ou recebendo por terceiros,recado...houvesse retorno.
Nem sinal de fumaça.
O que é ignorar um comunicado?
É quebra de comunicação,proposital?
Parecendo cobrança fiscal!
Foge,que lá vem encrenca?!
Atesto minha ignorância ,agora.
Medindo minha tolerância,também.
Mas eu tenho "ferramentas"!!!!
Palavras Ao Vento,letrinha por letrinha,bem tecladinhas,por hora.
Há tantas e tantas maneiras prum basta, de qualquer natureza.
"QUEM NÃO SE COMUNICA,SE TRUBRINCA!!!!
( Já dizia,o Velho Guerreiro,Chacrinha.)
Então..".RODA,RODA RODA E AVISA,UM MINUTO DE COMERCIAL!!!!"
RETORNO?
 (Verbo.)
RETORNO?
 (Substantivo.)
Ahhhhh ... essa vida!
Ahhhhhh ... pessoas!
(Como nos surpreendem no percurso ...)
Mas como dizem ...
"Tá valendo!!!!!"

Tata Junq

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Criando,tendo como base o pensamentar inicial ..rsrs ..."Coisas de Tata." & Projeto,Um OLHAR Tão Meu.(Fotos/Tata Junq)



                                      ( Projeto Olhar Tão Meu //Tata Junq

                                       ( Projeto Olhar Tão Meu //Tata Junq

Gosto do gosto da laranja.
Gosto de bolo de laranja.
Mas o tom de laranja,agride meus olhos,nos tecidos,tem de vir mesclado.
Laranja lembra Sol...o pôr dele.
Quisera  tê-lo visto,sentada a um chão qualquer.
Sempre o observo ao longe e o fotografo.
Na verdade,gostaria do ver,acontecer.
Poderia ser também um amanhecer.
Não ver de uma  janela qualquer...
A janela d'alma,fez registros,imaginários,românticos.
Hoje os quero,nascer ou pôr,mesmo só.
E, na certeza,fotografaria cada ângulo,sorrindo,chorando ...

                   *****************

O SOL LARANJA

Aponta manso,espião.
Como se espiasse a Terra.
Luz que invade,sorrateira,ainda.
A vermelhidão que o norteia,torna o céu,uma laranjada imensa.
Eu a bebo,com olhar atento.
É sabor ao vento, que me acompanha.
Quero procurar o "resto",esticando o pescoço ...
Que tolice!
Ele vai se anunciando devagar... 
Mostra-se ao meio,reluzente.
 Para depois,reinar,totalmente.

E levanta-se,gigante.
Eu o vejo,já com alguma dificuldade,ardem meus olhos.
E sinto o seu poder.
A pele aquece ...
A vida,aquece.
Está na hora de tirar a bunda do chão.
Reverencio-o.
Agradeço a vida.
Ponho-me a caminhar pela orla.
                               ( Do Projeto, Um Olhar Tão Meu. // Tata Junq)
                                    ( Efeito Ilustrativo,somente.)     

Há pessoas que perambulam ...não sei se amanheceram na praia também,ou se chegam ...
Não vi nenhum semblante carregado.
Chamou-me a atenção,um grupo de idosos.
Desfrutam a paz maritma e Sol.
Penso,que são privilegiados ...poderiam estar isolados,mal cuidados ou em clínicas.
São-me espelhos.
Envelheci.
Envelheço.
Amanheço,anoiteço.
E,crio contextos.
Meu olhar crê no que vê.
Sem estar.
Na certeza do estar só e nas palavras,com tanta companhia.
Cai a tarde,novamente.
É um verão quente,o entardecer é morno,bem agradável.
Aos poucos o Sol se esconde...
Meu tempo pára agora ... não verei estrelas,nem Lua.
Despeço-me, da despedida,dele.
A Terra gira,O Sol orbita.
E não verei a outra "face."
Nem sua,nem minha,nem Lua,nem estrelas.
Estou inteira.
Inteiramente preenchida.
ALARANJADA.
Sol?
Somente registros de uma sacada.
Estrelas?
Em sonhos ... 
Cansada.

Tata Junq

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Do projeto:Estórias pra Boi Dormir: "SEM EIRA NEM BEIRA."

                                     ( Há ref  da procedência da imagem // vide,lado esquerdo,pt inferior.)

O Sapo num mora na lagoa.
Nem é príncipe disfarçado.
É um "Decretador"!
Decreta sua dor,na carta de amor.
Tadinho do sapo rascunhador.
Rabiscador?
Rabisca a dor?
Dormente,não é.
Olhos esbugalhados.
Parado,pensador?
Dor mente.
Pensa dor?
Sente saudade?
Talvez pense em lealdade.
Atravessa o espaço-estrada,pra chegar à sua amada.
(Em cada palavra somada.)
Sapo sonhador!
Deveras,não sente dor.
Somente,
transcreve,
AMOR.
Enganador?!
Engana dor?
Disfarçado,
disfarçante.
AMANTE.
SAPO
OPAS
AVESSO.
Direito?
Contrário?
Contraditório?
Errado?
Errante?
Distante.
Amante.
Não mora na lagoa,no charco,no brejo.
É brejeiro,calado,distante,interessante.
Tem lume.
Tem pena,tinteiro.
É tarefeiro.
Temporize,
analise.
Talvez seja,SENADOR.
Se,na dor?
RODANES!
E se não me entendeu ...
Começo tudo outra vez.
Era uma vez,um SAPO ...

Tata Junq

Poetando:Beijo ...perdido no tempo.

                                    (Imagem por pesquisa. / Google.)
Pela janela,
o Sol.

Pela porta,
o gosto
do querer
contido
e
ido.

Pelo céu,
da boca,
o
beijo
derretido,
qual estrela,
represada
no
infinito.

Janela,
porta,
céu,
infinito.

Foi
na vida,
o beijo
mais bonito.

Tata Junq

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Estorinha pra boi dormir. Bom humor.é tudo!!!!! kkkkk...

                                      (Imagem por pesquisa. / Google.)

Uma abelhinha me contou ...
Que há tempo seu,que não meu.
Que há elas,
enquanto fico na janela.
E,eu de raiva,rainha,
matarei você,Zangão.
Pensou ser espertalhão?
Nada como ter um espião.

Tata Junq

Cartas de amor.... Poetando & Musicando



CARTAS

Assim...
Tão gesto.
Tão flor fresca
que chega.
E regala o peito.
E no seu jeito,
transformador,
revela gestos
de
amor.
Quisera
delas
por perto a me rodear.
Quisera ter seu sinal,
alastrando minh'alma
de
amor.
São só minhas
no
entanto,
sem endereço a enviar.
Ficam espalhadas na cama,
qual sonhos embriagados,
entorpecendo a mim,
que
teimo
em
lhe
amar!

Tata Junq

domingo, 19 de junho de 2016

Poetizando: SABE?

                                 ( Do Projeto:Um Olhar Tão Meu. // Tata Junq // Meramente ilustrativo.)
                                  
Em que armário,
ficaram as traças?
Em que roupa,
ficou 
seu cheiro?
Em que janela,
ficou a sombra?
Em que verdade,
nasceu amor?
Nos olhos
que
nem tudo
veem.
No asfalto,
estrada,
que nos separa.
Entre a misericórdia,
trágica,
da saudade,
que 

invade.
Sabe?

Tata Junq

sexta-feira, 17 de junho de 2016

#musicatudodebom " Quando a gente gosta,claro que a gente cuida..." Né mesmo?



Poeta não mente,sente.Sente,porém mente.



Eu sem cor,
sem dor,
sem medo,
carregada de segredos.

Eu sem luvas,
acariciando,
sombras.

Eu sem lupas,
a enxergar
ilusões.

Eu sem ouvidos,
escutando
canções.

Eu sem pés,
dançando,
rabiscando
o
chão.

Eu sem carne,
anjo-espião.

Eu sem lembranças,
presa
em gaiolas,
solidão.

Eu com motivos,
vivendo 
uma paixão.

Tata Junq

PROSOPOETANDO : O OLHAR.

                                                  ( Meu...rsrs...)

O olhar doce,
entristeceu-se,
perdeu-se,
na estrada,
no vulto-sombra,
distante.

E chorou,
em
gemidos,
mesmo não sendo
voz.

E guturalmente,
coube-lhe,
grunhir,
qual animal,
no matadouro.

Assim sendo,
cerrou-se
aprisionado,
pelas pálpebras,
fortemente.

E sem sentido,
adormeceu na dor.

Tata Junq

Do Projeto Palavras ao Vento : Boraaaaaaaaaaaaaa...!!!!






Perguntam-me:
- Que vai fazer hoje?
Normalmente,respondo:
- Sei lá ... deixa rolar.
Quando deveria ter como resposta:
- Vou é SER FELIZ!
É ISSO!!!!
Bom dia a tds!
Boraaaa ser feliz!!!!
Tata Junq

quinta-feira, 16 de junho de 2016

REPARA.

Resultado de imagem para rosa e sangue
(imagem por pesquisa. / Google.)

Repara,nas cercas de arame.
Repara,nos espinhos.
Repara,nas roseiras.
Repara,na beleza da flor-colhida.
Repara,no sangue,que escorre.
Repara,na dor.
É assim o desamor.

Tata Junq

Musicando & Poetando: Aos Bocados.


Resultado de imagem para Lua minguante e céu estrelado

Sorriu minguante,
cresceu,
arredondou.
Depois,
em eclipse,
mostrou suas partes.

Eu tola,
poeta,
tentei tocá-la,
em
vão.

Cantarolei
baixinho,
aquela velha canção.
Junto a ela,
meu coração
aos bocados.

Nasceu o céu estrelado!

CONFIDÊNCIAS ...pensamentando ...

Resultado de imagem para amar


CONFIDÊNCIAS

Andei descalça,sobre pedras ásperas.
Os pés feriram-se.
As cicatrizes,são resultados de cauterizações doídas e doidas.
A escolha do caminho,no entanto e entretanto,foi minha.
Agora há cansaços.
Meus pés avariados,não dão conta de minha carcaça alquebrada.
A Alma é menina.
O Corpo é velho.
O Espírito,é ancião.
E,somados,resbalam-se,nem sempre,confortavelmente.
Hoje parei, mais uma vez, a refletir.
Minh'alma,menina,trai-me.
Ela sonha,ela quer,ela propõe,vezes no engano.
Amorosa,sofre.
Açoita corpo já desmantelando-se.
Assim é!
Assim somos!
Matéria, que vai se desgastando,pouco a pouco,ou rapidamente.
O espírito teima em habitá-lo.
O perispírito,também.
Mas ainda tenho olhos de menina.
Aprecio flores,o Sol,a chuva,a noite,a Lua,os ventos,as matas,as corredeiras,rios,cachoeiras,mar,o espaço Cósmico,que posso alcançar...
E tenho malas vazias.
Porque quando fizer a travessia,nada vou levar.
Na alma,tatoos de amor.
Eu me permito ser amor.
E, nada ,nem ninguém me fará desistir do amar.
Amar sem medo de amar.
Amar toda e qualquer criatura.
Aprendi o exercício da cura das mágoas,redimindo-me dos meus erros junto à qualquer criatura,nos pedidos de perdões,mesmo em atrasos.
Se a vida é uma eterna-oração-pedinte,peço pra que ainda haja tempo de melhorar-me.
Não quero carregar doenças d'alma.
Vim ao mundo,rebelde,clamando por liberdade,desde o primeiro choro.
Parecia não caber no minúsculo corpo,alvo.
Não sei do trato que fiz para vir ...
(Se é que há um "trato assinado".)
E,prendi-me entre gente...
Laços!
A vida ainda flui ...
Ainda permaneço.
Nada sei do futuro.
Tudo sei do passado.
Vivo a cada segundo e antes tinha pressas. Agora sou cautelosa,num ritmo lento,bebendo e degustando cada instante de oportunidade.
A que vim?
AMAR,mesmo quem não tenha me amado.
E crescer e doar,compartilhar.
SER TRONCO, DE RAIZ FORTE.
(Tendo sido semeada.)
Sou palavras de construção,buscando não emergir,supostas,minhas verdades,
como sendo únicas.
E sobretudo imergir,e buscar o melhor de mim.
A que vim?
AMAR E AMAR E AMAR E SERVIR.
E ter responsabilidade no SEMEAR.
Entendo ter algumas respostas.
Não há medos.
VIDA & MORTE,processos naturais da EVOLUÇÃO.
Quando ainda tão pequena,via-me como enfermeira...e lances na memória ..a cuidar de feridos de guerra.
Acho, que sou uma enfermeira d'almas,fazendo o melhor que posso,ainda neste compasso que
me resta.
E choro e sorrio,agradecida,pela parte que me coube.
E pedinte,peço pela graça de melhorar,ainda em tempo,minha própria alma.
Agradeço ao Cosmo,a um Poder Superior.
E,quando chegar a hora do retorno,estarei pronta,sem relutâncias...
Estarei e estou,pronta.

Tata Junq

quarta-feira, 15 de junho de 2016

"Quero ser amor transportante" ... #correntedobem AJUDE-SE! Meu bom dia!



Assim sendo "transportante"...energias angariaremos.
Somos CONSCIÊNCIA!
Trabalhemo-la.
Conselho e sugestão.
A mim,a ti,onde quer que esteja.
QUE O UNIVERSO CONSPIRE A NOSSO FAVOR!!!

Tata Junq

terça-feira, 14 de junho de 2016

Noite & Dia,balanço emocional

Resultado de imagem para sol e lua juntos
( Imagem por pesquisa,no Google.)

Sendo pássaro noturno,distancio-me de você.
diuturnamente presente,matutino.
Como Sol e Lua,que parecem ser distintamente,
no tempo e lugar,divergentes.
Pensamentos apenas.
Todos estamos num mesmo lugar.
O tempo,somente é fábula.
Espacialidade é de ordem emocional,muitas vezes.
Eu amo,ele não me ama.
Eu cá,você lá.
Enquanto durmo,você acordado está.
Quando acordo,dorme você.
E a vida dorme pra dois.
Ou a vida pra cada qual,acorda e é plena.
Distâncias se estabelecem,pra quem não tem adequação emocional.
Se há segurança emocional,tudo é completo,não deixa buracos.
Quem é realmente seguro?
Ser humano é bicho-de-mato,no susto.
Está sempre de sobreaviso.
Parece ser de ordem natural,um contexto único.
Nasce e vive para sobreviver.
Sobreviver a qualquer preço,como diríamos.
E,sobrepujar as diferenças e dores emocionais,inclusive.
Quem nunca teve inseguranças?
Diz o ditado popular,"não cuspa pra cima,que cai na testa."
Inseguranças,desestabilizam,isto é certo.
( Em qualquer setor da vida.)

Tata Junq

Poema num tempo novo: DESEJO.


                                                 ( Imagem por pesquisa. / Google.)


DESEJO

Olhos nos olhos,
ternuras. 
E um fogo
em
línguas,
diferentes.
Assim,
momento
sublime,
intenso.
A segurança,
do abraço.
O entrelaço,
laço,
num 
terno
compasso.
Assim,
não 
acabasse.

Tata Junq

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Pensamentando: DIA DOS NAMORADOS ...Enamorados?

S2F7QZWkKHbjy3zQXZIDLmtHZjfRVhYGimASn0GV
( Imagem por pesquisa. / Google.)

Não acho adequação ao verbo crer.
Então,elimina-se o "creio".
Constato,melhor.
Constato que:
"O Mundo gira",fato.Orbita.
O Tempo não pára. Somente pára, por avarias,o relógio inventado, pelos humanóides.
Pra quê,então, termos datas vinculadas? Específicas,comemorativas?
Questão de ótica,ver e crer,agora sim, as conveniências,que as cercam.
(Se fins lucrativos ou não.) 
Dia Dos Namorados! Dia de Santo Antônio! Festas Juninas ...
Acredito, ser conveniente,termos atitudes,sempre.
E o sempre,é o cotidiano, que envolve as pessoas de qualquer bairro,cidade,Estado, País.
As oportunidades das vivências.
(Dia Dos Namorados,héteros,homos,bi ...sem preconceitos,sem tabelas,sem leis ...casais,sejam de que natureza sexual e tenham por opção.)
Dia Dos Namorados enfatiza casais e seus envolvimentos emocionais.
Um dia, que marca troca de afetos,como numa confirmação.
Esqueçamos dos fins lucrativos...troca de presentes,lembranças,para um agrado.
Dia Dos Namorados,requer um cuidado significativo: o agradar generoso,o estar mais próximo,o dividir sentimentos bons,agradáveis,amorosos.
Então,dir-se-ia,Dia Dos Enamorados.
Dir-se-ia um Dia de derramamento,docinho.
De olhares,dos amares,das "paixonites" ...rsrs...
Mas ...
Novamente o creio: Há pra todos os dias,o enamorar.
Parabéns ao ENAMORADO,que se predispõe ao encanto do amar.
E não há dia,nem hora,nem lugar.Cabe a singeleza do amar.
Prepare-se,pra curtir,cada momento,oportuno do amar.
E se for pra dar uma valorizada a mais ,dia 12... que seja!
Ame com doçura e encanto,quem lhe encanta.
Que tudo seja agudo!
Pleno!

Tata Junq

terça-feira, 7 de junho de 2016

Do Projeto,Fragmentos de Paixão: Momento.




Não tire a doçura de meu olhar,
desperte o melhor de mim.
Desenhe meu corpo,
em carícias leves.
Cale minha boca sussurrante,
entre beijos leves,
a rompantes.
Com sentido.
Com amor,
com paixão...
Faz-me viva.
Faz-me louca,
enquanto tiro
sua roupa.

Tata Junq

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Da Janela ...






Da janela
Espreito a chuva,que castiga o chão,e não é terra seca do Sertão.
E em enxurradas,águas vão ...aos bueiros ...aos piscinões ...aos córregos ...
Aqui,águas vão,ladeira abaixo.
Não inundam...não invadem.
Mas a nostalgia invade...escuto o pinguejar,sequencial ...
Há casas com problemas,na certeza e, famílias desabrigadas,gente insegura,
com frio,molhada,retornando ainda de trabalhos...gente de rua e nas ruas
As águas castigam,mesmo sendo vida.E vezes,viram morte.
E me pego a pensar no filho, que tentou salvar o pai e também se foi.Na mãe,
que puxa águas,junto a lama.Na senhora, que chora tendo à sua vista,novamente,a perda de seus bens.
Eu olho minha cidade,com olhos invisíveis de minha janela.
Eu olho meu Brasil encharcado também de misérias ... e,não há esgotos que as abrigue,não há estações reciclantes,de tratamentos, há lamas impregnando,águas paradas,bichadas.
É uma água corrosiva,a corrupção.
É lama o mal caratismo de governantes,governados,paus mandados.
Chovo indignações.
Quem por todos?
Rei da chuva,do trovão,coloque um a um no chão!!!!

Tata Junq

#musicatudodebom Liricamente,bela! Dividindo ..na tarde chuvosa.


Musicando & Poetando às avessas! Valseio.



( Imagem por pesquisa / Google.)
Resultado de imagem para Praça co chuva



E valseio na praça,na graça.
Que importa que me tens por louca!

Que importa se não me beija a boca?!
Que importa se chove?
Que importa,pluma sou?
Que importa,ter perdido,tanto achado?
Valseio o sonho, que ninguém sonhou.
Que importa se não há porta,nem janela?
Que importa,a liberdade do agora?
Depois?
Preciso mais.

Tata Junq

Versejando colorido.

 
( Imagem por pesquisa. / Google.)



Medindo o medo.
Com fita de chita!
Com barbante colorido.
O medo de mim,tem de colorir o Mundo.
Tem ares de Bumba-Meu-Boi.
Avança e retrocede,qual marcha na dança,marcada.
E faz caras e bocas!
O medo-de-mim,dança de roda.
"Medo-de-mim-rolar",
e em você me achar.

Tata Junq

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Que é ser feliz?

                           ( Um momento,feliz!)

- "Está a fim,meu bem?!"
- Bora ser feliz!

*Que é ser feliz?
Conceitue ...ou ensina a dica,ou negue,ou confirme sua felicidade.
Em colaboração,a pesquisa,que segue abaixo.
Conceitos Culturais.
Elucidativos.
Tata Junq


O que é felicidade? Provavelmente, cada pessoa que resolver responder a esta pergunta apresentará uma resposta própria, pois a felicidade, num certo sentido, é algo individual, pessoal e intransferível. Por outro lado, há uma ideia de felicidade que pertence ao senso comum e é compartilhada pela esmagadora maioria das pessoas: felicidade é ter saúde, amor, dinheiro suficiente, etc. Além disso, a idéia de felicidade não é uma coisa recente. Com certeza, ela acompanha o ser humano há muito tempo e faz parte de sua história.
Sendo assim, é possível traçar a evolução histórica dessa ideia, se nos debruçarmos sobre a disciplina que sempre se dedicou a investigar nossas idéias, de modo a defini-las e esclarecê-las: a filosofia. Na verdade, a ideia de felicidade tem grande importância para a origem da filosofia. Ela faz parte das primeiras reflexões filosóficas sobre ética, que foram elaboradas na Grécia antiga. Vamos, então, acompanhar a evolução histórica dessa idéia fazendo uma viagem pela história da filosofia.
Ampliar


Filosofia e felicidade: o que é ser feliz segundo os grandes filósofos do passado e do presente9 fotos

3 / 9
Para Sócrates, sofrer uma injustiça era melhor que praticá-la e o homem feliz era essencialmente um justo. Por isso mesmo, ele recebe com tranquilidade a sentença do tribunal que o condenou à morte. No quadro, uma obra-prima de Jacques-Louis David, o filósofo recebe a taça com o veneno, enquanto consola seus discípulos. As reflexões de Sócrates sobre justiça e felicidade encontram-se especialmente no diálogo "Górgias", de Platão, seu mais célebre alunoImagem: Reprodução

A referência filosófica mais antiga de que se dispõe sobre o tema é um fragmento de um texto de Tales de Mileto, que viveu entre as últimas décadas do século 7 a.C. e a primeira metade do século 6 a.C. Segundo ele, é feliz “quem tem corpo são e forte, boa sorte e alma bem formada”. Vale atentar para a expressão “boa sorte”, pois disso dependia a felicidade na visão dos gregos mais antigos.
Bom demônio
Em grego, felicidade se diz “eudaimonia”, palavra que é composta do prefixo “eu”, que significa “bom”, e de “daimon”, “demônio”, que, para os gregos, é uma espécie de semi-deus ou de gênio, que acompanhava os seres humanos. Ser feliz era dispor de um “bom demônio”, o que estava relacionado à sorte de cada um. Quem tivesse um “mau demônio” era fatalmente infeliz.
Não há dúvida de que, entre os séculos 10 a.C. e 5. a.C, o pensamento grego tende a considerar os maus demônios mais frequentes do que os bons e apresentar uma visão pessimista da existência humana. Não é por acaso que os gregos inventaram a tragédia. Uma expressão radical desse pessimismo nos é fornecido por um velho provérbio grego, segundo o qual “a melhor de todas as coisas é não nascer”.
Foi a filosofia que rompeu com essa visão pessimista e procurou estabelecer orientações para que o homem procurasse a felicidade. Demócrito de Abdera(aprox. 460 a.C./370 a.C.) julgava que a felicidade era “a medida do prazer e a proporção da vida”. Para atingi-la, o homem precisava deixar de lado as ilusões e os desejos e alcançar a serenidade. A filosofia era o instrumento que possibilitava esse processo.
Virtude e justiça
Sócrates (469 a.C./399 a.C.) deu novo rumo à compreensão da ideia de felicidade, postulando que ela não se relacionava apenas à satisfação dos desejos e necessidades do corpo, pois, para ele, o homem não era só o corpo, mas, principalmente, a alma. Assim, a felicidade era o bem da alma que só podia ser atingido por meio de uma conduta virtuosa e justa.
Para Sócrates, sofrer uma injustiça era melhor do que praticá-la e, por isso, certo de estar sendo justo, não se intimidou nem diante da condenação à morte por um tribunal ateniense. Cercado pelos discípulos, bebeu a taça de veneno que lhe foi imposta e parecia feliz a todos os que o assistiram em seus últimos momentos.
Entre os discípulos de Sócrates, Antístenes (445 a.C./365 a.C.) acrescentou um toque pessoal à ideia de felicidade de seu mestre, considerando que o homem feliz é o homem autossuficiente. A ideia de autossuficiência (que, em grego, se diz “autarquia”,) continuará diretamente vinculada à de felicidade nos setecentos anos seguintes.
Uma função da alma
Mas o maior discípulo de Sócrates, que efetivamente levou a especulação filosófica adiante de onde a deixara seu mestre, foi Platão (427 a.C./347 a.C.), o qual considerava que todas as coisas têm sua função. Assim, como a função do olho é ver e a do ouvido, ouvir, a função da alma é ser virtuosa e justa, de modo que, exercendo a virtude e a justiça, ela obtem a felicidade.
É importante deixar claro que noções como virtude e justiça integram uma vertente do pensamento filosófico chamada Ética, que se dedica à investigação dos costumes, visando a identificar os bons e os maus. Para Platão, a ética não estava limitada aos negócios privados, devendo ser posta em prática também nos negócios públicos. Desse modo, o filósofo entendia que a função do Estado era tornar os homens bons e felizes.
A ligação entre ética e política estará ainda mais definida na obra do mais importante discípulo de Platão, Aristóteles (384 a.C./322 a.C.), o qual dedicou todo um livro à questão da felicidade: a “Ética a Nicômaco” (que é o nome de seu filho, para quem o livro foi escrito). Amigo de Platão, mas, em suas próprias palavras, “mais amigo da verdade”, Aristóteles criticou o idealismo do mestre, reconhecendo a necessidade de elementos básicos, como a boa saúde, a liberdade (em vez da escravidão) e uma boa situação socioeconômica para alguém ser feliz.
Felicidade intelectual
Por outro lado, a partir de uma série de raciocínios que têm como base o fato de o homem ser um animal racional, Aristóteles conclui que a maior virtude de nossa “alma racional” é o exercício do pensamento, pelo quê, segundo ele, a felicidade chega a se identificar com a atividade pensante do filósofo, a qual, inclusive, aproxima o ser humano da divindade.
Sem perder de vista a aplicação prática de suas ideias, Aristóteles considera a política como uma extensão da ética e, nesse sentido, para ele também é uma função do Estado criar condições para o cidadão ser feliz. O Estado que o filósofo tinha em mente, porém, era a “polis” grega, que, naquele momento, estava deixando de existir, com o surgimento do império de Alexandre o Grande.
Depois de Alexandre, no mundo grego ou helênico, desenvolveram-se três escolas filosóficas que vão se estender até o fim do Império romano, as chamadas filosofias helenísticas. Todas elas, por caminhos diferentes, chegam a conclusão de que, para ser feliz, o homem deve ser não só autossuficiente, mas desenvolver uma atitude de indiferença, de impassibilidade, em relação a tudo ao seu redor. A felicidade, para eles, era a “apatia”, palavra que, naquela época, não tinha o sentido patológico que tem hoje.
Prazer e salvação da alma
Entre os filósofos do mundo helênico, pode-se citar Epicuro (341 a.C./271 a.C.), para deixar claro que essa ideia de “apatia” não significa abdicar ao prazer. O prazer era essencial à felicidade para Epicuro, cuja filosofia também é conhecida pelo nome de hedonismo (em grego “hedone” quer dizer “prazer”). Mas ele deixa claro, numa carta a um discípulo, que não se refere ao prazer “dos dissolutos e dos crápulas” e sim ao da impassibilidade que liberta de desejos e necessidades.
Com o fim do mundo helênico e o advento da Idade Média, a felicidade desapareceu do horizonte da filosofia. Estando relacionada à vida do homem neste mundo, ela não interessou aos filósofos cristãos como Agostinho de Hipona (354 d.C./430 d.C.), Anselmo de Canterbury (1033/1109) ou Tomás de Aquino(1225/1274), todos santos da Igreja católica. Para a filosofia cristã, mais do que a felicidade, o que conta é a salvação da alma.
Os filósofos voltaram a se debruçar sobre o tema na Idade Moderna. John Locke(1632/1704) e Leibniz (1646/1716), na virada dos séculos 17 e 18, identificaram a felicidade com o prazer, um “prazer duradouro”. Alguns décadas depois, o filósofo iluminista Immanuel Kant (1724/1804), na obra “Crítica da razão prática” definiu a felicidade como “a condição do ser racional no mundo, para quem, ao longo da vida, tudo acontece de acordo com o seu desejo e vontade”.
Direito do homem
No entanto, para Kant, como a felicidade se coloca no âmbito do prazer e do desejo, ela nada tem a ver com a Ética e, portanto, não é um tema que interesse à investigação filosófica. Sua argumentação foi tão convincente que, a partir dele, a felicidade desapareceu da obra das escolas filosóficas que o sucederam.
Mesmo assim, não se pode deixar de mencionar que, no mundo de língua inglesa, na mesma época de Kant, a ideia de felicidade ganhou lugar de destaque no pensamento político e buscá-la passou a ser considerada um “direito do homem”, como está consignado na Constituição dos Estados Unidos da América, que data de 1787 e foi redigida sob a influência do Iluminismo.
Egocentrismo e infelicidade
É também no âmbito da filosofia anglo-saxônica, no século 20, que se encontra uma nova reflexão sobre nosso assunto. O inglês Bertrand Russell (1872/1970) dedicou a ele a obra “A conquista da felicidade”, usando o método da investigação lógica para concluir que é necessário alimentar uma multiplicidade de interesses e de relações com as coisas e com os outros homens para ser feliz. Para ele, em síntese, a felicidade é a eliminação do egocentrismo.
Mais recentemente, em 1989, o filósofo espanhol Julián Marías também dedicou ao tema um livro notável, “A felicidade humana”, em que estuda a história dessa ideia, da Antiguidade aos nossos dias, ressaltando que a ausência da reflexão filosófica sobre a felicidade no mundo contemporâneo talvez seja um sintoma de como esse mesmo mundo anda muito infeliz.
Ampliar


Os filósofos que fizeram a cabeça do mundo contemporâneo12 fotos

1 / 12
Para entender a sociedade em que vivemos é necessário conhecer as ideias que estão por trás dela. Nesse sentido, é especialmente interessante conhecer o pensamento de filósofos que, desde o século XVII, transformaram a visão que o homem tinha de si mesmo e do mundo ao seu redor. Conheça esses pensadores que fizeram a cabeça do mundo contemporâneo.Imagem: Página 3
Bibliografia
Abbagnano, Nicola - "Dicionário de Filosofia", Martis Fontes, São Paulo, 2000.
Berti, Enrico - "No princípio era a maravilha", Loyola, São Paulo, 2010.
Marías, Julián - "A felicidade humana", Duas Cidades, São Paulo, 1989.
 Antonio Carlos Olivieri é jornalista e escritor.