segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

CARNAVAL,tão meu.


Carnaval

Meu samba é forte.
Meu samba é morte.
Na dispersão da avenida,
sonhos,
trabalho,
ostentação,
ficam
no
chão.
E,
cabe
muito bem,
na
palma de minha mão,
esse
rosáceo coração,
batendo,
no
tum-tum
da
bateria-insistente,
com
sorrisos
ao
alto,
qual confetes
num salão.

Tata Junq
Enviar um comentário