segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Pensamentando: Poucos sabem de nós.



Vi-me à borda,como periscópio ...olhos atentos.
Não há como aprofundar-me,trouxe comigo tudo de mim.
(Se cedo ou se tarde ... o tempo delinia o fim.)
Delinio-me,então em traços imperfeitos,em águas que me rodeiam ... assim sendo,consciente de mim.
Aprecio a ILHA,distante.
Cada vez mais distante,perdida em mares,soprada aos ares ...  
Um quando apagará meus olhos e ...nem mesmo 
saberei se inteira de verdade,espiei o Mundo,na luz da realidade.
Cada um sabe de si.
Poucos sabem de nós.
Tata Junq

Enviar um comentário