domingo, 6 de dezembro de 2015

AMIGOS,sabem,do importante estreitar de um abraço ...



ONDE O PORTO,SEGURO?

Minhas mãos tocam as suas.
...

É tato,puro.
É ato.
É fato.
No silêncio,
mudos.
Braço,no abraço.
Quem precisa agora,exatamente,de ruídos?
Ou grunhidos?
Já fomos bichos,selvagens.
Sem pressas,meu amigo!
Eu lhe amparo,
você me ampara,
como abrigo.
O momento,
basta-nos,
concreto.
Descalcemos os pés,ignorantes.
Não nos preocupemos com as pegadas em sulcos.
Se houver cansaços,sentemos.
Seguir,por hora é preciso,confiantes.
E,se minhas mãos,soltarem as suas ...
estará pronto...
Não olhe pra trás.
Serei saudade,
garantida,
de uma fiel amizade.

Tata Junq

Enviar um comentário