segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Projeto: Conto Sem Fim, À LUZ DA VERDADE.

À luz da verdade.

Coração incandesceu,adornado,nas palavras quentes,amorosas ... tal qual ambiente,preparado,
para recebê-la.
E a entrega foi sublimada,encantada.
Assim sonhara.Assim queria.
Mas entre o amor e o ódio,há um estreito caminho.
Eu diria,uma pequena nuance de luz,que cega,ao dar expansão a ela.
Assim foi,o amor que se tornou,bandido,
O que era doce,virou fel.
Luciana olha a vela que queima agora,pra oração noturna.
E reza para ajustar sua alma,tão invadida de dor,menosprezo e rancor.
Ódio,não tinha.Queria paz e saber o caminho do perdão.
Como perdoar o abandono?
Como engolir o engano,do que parecia perfeito?
Do desfeito,tem apenas um bilhete deixado,que julga ser um lance de mera covardia.
Seria melhor que tivesse desistido de tudo na igreja.
Mas não,deu o sim,a promessa.
E as palavras de amor ao ouvido,tornando-a única?
Um ano já faz.
O belo,escafedeu na vida.Ninguém sabe dele,ninguém viu,nem vê.
Melhor que tivesse morrido.seria viúva e pronto, e ponto.
Queria perdoar,não consegue.
Queria morrer,não consegue.
A vela queima.
Nossa Senhora,não chora sua dor.
Chora bem ao lado,sim,aquela criança ...mais é um resmungo que choro ...
A dor não abranda,o gosto da revolta a domina e mina.
Acaba por dormir,exaurida.
Amanhã,quem sabe,não precise tocar o dedo na ferida ...

Tata Junq

Enviar um comentário