domingo, 9 de agosto de 2015

Do projeto,Histórias & Estórias : Sinhá.

Reservas,por trás das máscaras.
O olhar parado diante do espelho e do tempo.
Quis ver-se jovem.
E, reservas,além das aparências,dizem a ela,não mente.
Ela sorri.
E, a alma chora,atrelada nas vaidades ... e na sapiência do  derradeiro,fim.
Morte aos poucos da matéria.
Assim ela,assim todos viventes.
Não há lutas,há entregas.
As células incapazes,dão o veredito.
Todas as manhãs,sentava-se,com dificuldades,é verdade,no toucador.
Há semanas,que isto deixara de ser um hábito.
Debaixo de lençóis macios,bordados em seda e rendas,seu corpo descansou,sem um gemido.
Aquelas mãos,descansaram sobre eles.
O piano,não mais será tocado.
A criadagem emudeceu ... era tão querida,a Sinhá.
E,tão só.

Do Projeto,Histórias & Estórias: Sinhá.

Tata Junq
Enviar um comentário