terça-feira, 16 de junho de 2015

Conjecturas ....



Qual graça há?
Quais?
Vezes fico ranzinza.
Isso.
Os não contentamentos acabam com um bom humor,possível.
A tristeza invade,quando não deveria.
Olho  pelo vidro da janela,embaçado pelo pó acumulado.
A consciência da necessidade de poupar água,há.
(O Planeta agradece.)
Deveria polpar minhas águas.
( A hidratação do corpo agradece...e,a tristeza num fenece.)
E vou pensando,pensando ...
O que vale a pena?
E, minha casmurrice dá tréguas,ao olhar a árvore-vizinha,uma Primavera,carregada em flores.
Um convite à vida.
Pelo menos,meio sorriso.
Espelho-me.
Sou raiz,tronco,galhos e algumas flores ...
Talvez floresça intensamente,amanhã,ou depois de amanhã ...ou ...depois do depois.
Hei de ser encantos!
Hei de ser flores,outra vez.
Quando o sorriso voltar à minha boca.
Hei de contentar-me de contente!

Tata Junq
Enviar um comentário