segunda-feira, 20 de abril de 2015

O MEU AMAR (Poetando às avessas.)

                         ( Vide ...eu,e o espelho.)


Por falar de amor,amor.
Por dizer amor,amar!
Encantando qual dança,
num sincronismo,perfeito.
O amar,
é mais que a vaidade,
a sensualidade,
e
palpites.
Pronto,
arraigado,
na alma,
está.
De sublime,
manso.
De manso,
muitas vezes,
desatinos.
Mas,
AMOR,amar sendo,
AMOR.
Não lhe cabe,
ignorâncias parciais
ou totais.
Não lhe cabe,
desrespeitar.
Não lhe cabe,
escrever histórias,e
ser
estória.
Pode acabar?
Pode 
e deve,
se deixar
de
ser,
mesmo,
tendo sido.
Meu amor,é amar,
em
abandono.

Tata Junq
Enviar um comentário