sábado, 3 de janeiro de 2015

Do Projeto,Alma Feminina : A ESCRITORA.



                                                       
                                                            (Foto By Junq)


   Houve um tempo ...
A Saudade,o amor doído,fizeram-me poeta...
Poeta,infla-se na dor,derrama a boca,a alma estende nas linhas.
Não há dor,não há amor.
Como diria Cartola "sonhar os meus sonhos ..."
Não me cabem esperanças,nem escondidas.
Justifico.
Lembremos da letra, AS ROSAS NÃO FALAM:


Bate outra vez


Com esperanças o meu coração

Pois já vai terminando o verão

Enfim


Volto ao jardim

Com a certeza de que devo chorar

Pois bem sei que não queres voltar

Para mim


Queixo-me às rosas, mas que bobagem

As rosas não falam

Simplesmente as rosas exalam

O perfume que roubam de ti


Devias vir

Para ver os meus olhos tristonhos


E, quem sabe, sonhavas meus sonhos

Por fim




Então,passei a ser cronista.Sem conteúdos poéticos,nas folhas de papel , ou na minha máquina elétrica ...  Escrevo diariamente para um jornal local ,e minha Coluna fala do Universo Feminino.Lembrei-me da canção.E,justifico minha razão e as rosas foram ao chão,na despedida. Murcharam ... o amor ficou cravado no tempo,como crivo de um lindo bordado,na gaveta.
Tentei amar em vão ... sofri,desmanchei-me,sequei paulatinamente.
Nada espero.
Nada quero.
Sou carvão que não queima,nada de brasa encoberta.
Hoje,sento-me à mesa,olho através da janela,escrevo sobre a moça morena,sentada no banco da pracinha.E,falo do amor dela,inventado,porque dela nada sei.
Imagino-a,envolta a um amor tão intenso,como fora o meu.E,certamente,ela também terá medos do futuro,e fomentará lembranças do passado.Só não sei se será cronista ... pensando bem,poderá ser poetisa,se não endurecer o coração e trancafiá-lo.
Poetisa,cronista,contista,romancista ... que importa? Inventor do inventado...
Nada será real?
Sei que não sou jornalista.
Mas sou cronista,e justifiquei-me,que já fui poetisa.
Inventei?
Transpareci?
Se sou,sou.
Se fui, fui.
Quem sabe,serei,o que fui sendo....
Bem assim ,estranha ... fui à praça,vi a roseira de perto,no jardim.Não vi a moça.
Seria ela eu?
Eu sou ela,num tempo que foi disponível?
Na certeza,sou uma alma cansada.


(Uma Alma Feminina..)


( Do Projeto, Alma Feminina: A ESCRITORA)


Tata Junq






























































Enviar um comentário