quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Poetando às avessas ...SEREIA.


                                       ( Imagem do Google.)

(No fundo,sabia.
Sem ser
vidente.)

A nudez d'alma.

Gorfei verdades,
queijo azedo.
E,
perdi encantamento.
Ainda sou
sereia
mansa,
decantando
amor.
As barcarolas,
navios,
fragatas,
barcos pesqueiros,
passarão ...
Ao pescador,
meu desencanto,
minha mudez
de cantos.
Sequer
esteve atento
ao 
brilho
de meu olhar...
Submerjo,
lentamente,
l
e
n
t
a
m
e
n
t
e
e
e
e
e ...
Lábios
em
concha,
língua
em 
pérola
bruta.

Tata Junq
Enviar um comentário