domingo, 24 de agosto de 2014

E muito reflito,antes de começar a narrar uma possível novela,ou mais uma crônica ...

( Imagem retirada do Google.)

                ( Imagem retirada do Google.)
              

Grande Palco ...
E se eu morresse amanhã?
Ora bolas,ainda estou aqui!
Fincada,qual raiz profunda.
Teimosa,eu?!
A vida, as pessoas,são vidraças transparentes ... não há o que esconder.
Cedo ou tarde,revelam-se.
E na trajetória,observo a vida e a possível,morte.
Há pessoas que já morreram,antes do morrer de fato.
Eu não temo a morte,não mais ... já a temi.
Temo,vidas. 
(Por que o ser humano é surpreendente.)
E temo por vidas, frágeis e inquietas ou fortes,com portes de inabaláveis.
Estamos preparados para surpresas?
Pra vida,com outras vidas?
Umas passam por nós,deixando marcas profundas,boas, más ...
Outras,passam sutis, e nem nos apercebemos,que estiveram,na rapidez da chegada e,ou da saída.
Outras nos desafiam ...
Outras nos acordam ...
Outras nos testam ...
Outras nos desdenham,como"uvas verdes",mas no fundo,no fundo,querem comer,porque sabem sermos uvas de boa espécie.
Outras nos olham,indiferentes ...
Outras,querem-nos,porque preenchemos seus egos.
Outras,querem-nos,porque nem sabem o porquê.
Outras,são almas afins.
Outras,espelham também nossas procuras.
E outras,e outras, e outras ... neste " Mundão-de-Deus"...estarão por vir.
Num até quando que não nos pertence.Ou,num tempo estanque de um suicida.
Quem é você,que rodeia-me agora?
Veio acordar-me o viver?
Assoprar as cinzas,que encobriram as brasas?
Ou, mostrar-me os limites que minha vida tem?!
Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh ... pessoa( Na figura de Neruda ou de Pessoa, ou de Camus...)
Quem é você?
Olha-me nos olhos,e diga-me.
A que veio?
Por quanto tempo permanecerá?
Eu não temo a VIDA, nem a MORTE!
Temo,poder amar, vc!
TATA JUNQ
(Do Projeto,UMA ALMA FEMININA.)
Enviar um comentário