terça-feira, 9 de julho de 2013

Poetando & Musicando, a vida. No ar,sem ar.





No ar,sem ar!

Cem vezes,
caio.
Mil vezes,
 levanto!
Milhões de vezes, 
renasço,
lutas.
E no circo-dos-horrores,
atravesso a corda-bamba.
Vocifero ânsias 

grunho dores.
Passagem,
da
ponte,
ao
imponderável.
E
perco-me
de
vez.

Restando-me
a
canção,
lampejos
do
coração.


Tata Junq

Enviar um comentário