quarta-feira, 26 de junho de 2013

Poetando : Meu avô.



Cheiro de mofo.
Cheiro de morte.
Cheiro de flores.
O chão,
o buraco,
o tiro,
o canhão.

Clarim
na
aurora,
que
não
a
boreal.

As lágrimas,
os ventos,
o
silêncio
posterior,
derradeiro.

Tata Junq
Enviar um comentário