sexta-feira, 28 de junho de 2013

Pensamentando & Musicando : Cartas.


Lembranças.




No conteiner azul,bilhetes,cartas,coleção de selos,pesquisas,
pedras ... tudo incinerado,num lampejo de fúria-angustiante  de minha mãe.
Ahhhh ... sobraram as pedras ...
Agora,na memória cartas-acordadas, teimando em ficarem,mas sem o peso das pedras.
E as cartas-asas, que foram via correios?
Talvez guardadas?Gavetas?Caixas?
Ou rumo às sarjetas?
E as cartas inacabadas? São papéis tontos, que rodopiaram de cá e lá,sem rumo.
Hoje,desertas.
E as cartas marcaram um tempo,decerto, para cada destinatário,e a mim, remetente.
Elas foram seres-viventes!
Amo cartas, Amo "cartear" palavras dotadas de cargas emotivas... 
Pois sim! Palavras escritas avolumam sentimentos.
_ Rasguem minhas cartas!
_Ou, não!
Sinto prazer imenso ao escrever,discursando cada palavrinha. Meus pensamentos falam alto,consomem tinta de canetas e papéis.          (Quantos e quantas ...)
Amo cartas "à antiga".
Mas , também sei teclar modernamente,dedilhando cada letra,como se um acorde,nas cordas de violão,ou som das teclas de um piano.
É prazer! É nostalgia! É vida que corre em cada linha ou espaço virtual,em branco.
Que importa?Quem rasgue ou delete?
Eu as guardo, e elas valseiam,dançam funk,dançam rock,dançam xotes ... 
Vivas!
(Dançam na memória.)
Eu as teria , todas , guardadas.
Sabe? Tê-las mesmo, assim palpáveis, reais.
Mas muitos destinos, tiveram ... e, meu baú-memória, salvou-as , a grosso modo. 
Envelheço ... e muitas caducaram também.
Não saberia repeti-las por inteiro. Muitas palavras esparsas, mas marcantes, são lembradas.
Cartas são pássaros,que voam e chegam a um destino.
Queria que fossem araras, ou gaviões.
Coloridas,arruaceiras, ou destemidas.
Quero uma mini carta deixar, na lembrança de hoje.
( à antiga ...rsrsrssss ...bem antiga ...com nexo ou sem.)

São Paulo, 30 de junho de 2013.

Prezado Senhor Juiz dos Juízes.

Venho através desta, fixar, para posterior análise,meu santo
juízo e discernimento lacônico.
Sou louca pela vida!
Deixai-me ficar.
Vias de fato e direitos,asseguram-me o existir.
Sem mais,

Tania Junqueira Soares.


Tata Junq


Enviar um comentário