segunda-feira, 29 de abril de 2013

Poetando : Frágil Flor





Sou frágil flor,   
miúda-miosote.  

Sou frágil flor,    
na sentença da morte.    

De um fim,inglório.    
De um fim,negado.    
De um fim,vezes querido,  
pelo cansaço e desordem.

De um fim,que gere    
um bom recomeço.    

De um fim de tarde,    
no vazio.       

Sou flor,   
entre tantas,   
orvalhada.   

Sou flor,     
ritmada ao vento,    
às  brisas,     
aos redemoinhos,   
resistente.   

Sou flor,    
miúda,    
que aos poucos,    
vai     
sendo    
d  
e  
s  
p  
e  
t   
a  
l   
a  
d  
a  
...                                      
( Bem-me-quer...mal-me-quer ...)
    Tata Junq    
Enviar um comentário