terça-feira, 10 de julho de 2012

Poetando, amor.





As margaridas
de
mim,
floriram,
simplesmente,
simples.


Simples,
como
meu olhar-fugidio,
perdido
no
nada.


Florescem
a cada
instante
e bailam
de

e
cá.


Lindamente,
amor!


Tata Junq
Enviar um comentário