domingo, 15 de janeiro de 2012

PENSAMENTANDO , DESESTRUTURANDO : ANDARILHA.





  Andarilha 
Sigo,    
transito,    
na esfera-espera.     


No jogo    
da     
vida      
e     
morte,       
ainda     
piso    
e    
deixo     
marcas.     


Entre:     
girassóis,     
(com   
ou    
sem sóis)   
giro, 
desviro,    
permaneço.     


Entre :  
nuvens,  
sem  
ventos,   
levito,   
pacificada.   


Entre:   
cantos,   
adormecidos   
ou  
sonoramente,  
acordados,   
ainda     
durmo     
e    
sonho.    


Entre:      
águas,    
de    
rios         
ou    
mares,     
forças há    
nas    
braçadas,       
ritmadas.    


Entre:     
janelas     
abertas       
ou    
fechadas,    
visões     
do    
tudo    
ou    
nada.     




Entre:    
marés,    
tormentas,    
águas obscuras   
ou    
límpidas,    
há nítidas,    
visões.         


Existo,    
insisto,    
caminho...        


Indeléveis-marcas...     


Entre:    
sorrisos     
marcados,     
marcantes...     
olho o Mundo,       
ainda     
com    
coragens.    


Entre:        
gente,    
amo,     
sem     
constrangimentos.    


Sou,        
fui,    
serei:       
pedaços        
e inteiros.   


Por hora, desestruturo a semântica, a lógica de um texto,e construo: o fim, o meio e o começo.        


Sou:      
andarilha de mim!     
E, as águas nos pés, fazem-me viva,semi-inteira.    
E, é doce andar em águas salgadas, num sonho bom.     


Entre:    
construção     
e       
desestrutura:paradígmas.     


Sou:     
águas límpidas,     
em      
águas salgadas,     
do       
agora.      


Sorrio!     
Sorrio!       
Sorrio!     


E,     
sem perigos,    
mergulho    
em     
mim...     


E, agora só há um eu ...   
deixei de ser, nós.      
(Desatando os nós.)          




Tata Junq        









Enviar um comentário