terça-feira, 15 de março de 2011

Pensamentando : SILÊNCIO! Mais uma vez...mais uma vez ...


Há no ar um gosto de verdades, preciosas verdades.
Chove!
Suavemente ... chove.
E faço mar, rio, cachoeira ... na verdade que invade.
São águas límpidas, mas não serenas.
São como eu, sereia que rompe águas, e espreita.
Verdade da verdade?
Somo atos! Atenta!
Muito atenta  vou ao fundo, novamente.
Entre navios submersos, busco cadáveres preservados.
E sei que há um berço e ausência d'almas.
Mas em cada uma, há digitais preservadas.
Fantasmas!
E nado, nado, nado, na sabedoria da espera e, voluntariamente, fico em "concha".
E em concha, permaneço.
Pérola-desgastada, sereia molhada, no mar-de-meus-pensamentos.
Cabe somente: fantasmas que assombram e não sei se emergir, vale a pena ...
Não sei se posso ser sereia encantada, serena ...Não sei se posso ser sereia-rompante ... Não sei se posso ser um mito ... sei apenas, que não grito,não gemo, nem nada...
Ao fundo, estagnada, nas águas revoltas, do nada!
Do nada!

Tata Junq
Enviar um comentário