quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Poetando, simplesmente. ALTARES.


Rostos.
Rostos,
rotos,
gastos
no
tempo.
Nem saudade
recupera.
Surgem
pálidos,
disformes,
um
a
um
nas asas
do
pensamento.
Lamento!
Tento!
Perderam-se,
decomporam-se.
Perfilados,
retornam
aos
seus
lugares.
Em
seus
altares!

Tata Junq
Enviar um comentário