segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Poetando & Desestruturando: Febre.




Como,
olhos de serpente,
magnetizam-me.
E,
boca de piranha,
consome-me,
o
AMAR.
Devorante!
Eletrizante!
Mordaz!
Sem comando,
perdi
a
paz!
E,
masoquistamente,
satisfaz!
Febre
de
amar ...

Tata Junq
Enviar um comentário