sábado, 6 de março de 2010

MOMENTOS REFLEXIVOS / PENSAMENTAR ( O POETA MOACYR , o MOA )


Eu conheci o poeta, ele me honrou com declamações de seus versos.
E fêz-me esta dedicatória, tão ímpar!


Grata, Moacyr!
Lindo coração-poeta!

Deixarei aqui, palavras suas decantadas, tão belas!
De, O Colecionador de Benquerenças.

NINGUÉM ENTENDE

Ninguém entende que eu precise tanto ...
como preciso de água pra beber.



Ninguém entende que eu precise tanto ...
como de pão preciso pra comer.


Ninguém entende que eu precise tanto ...
como preciso de ar pra viver.


Ninguém entende que eu precise tanto ...
E - Deus! - como eu preciso de você!

Moacyr Sacramento



QUE VONTADE

Que vontade eu tinha
que meu verso fosse
um oásis fresco
de qualquer deserto

Que vontade eu tinha
que meu verso fosse
como as placas
pra caminho incerto

Que vontade eu tinha
que meu verso fosse
uma luz bem clara
para a escuridão

Que vontade eu tinha
que meu verso fosse
uma ponte mágica
entre o sim e o não

Que vontade eu tinha
que meu verso fosse
sono de descanso
de qualquer cansar

Que vontade eu tinha
que meu verso fosse
puro como a fonte
de qualquer brotar

Que vontade eu tinha
que meu verso fosse
gracioso e belo
feito um beija-flor

Que vontade eu tinha
que meu verso fosse
que meu verso fosse
um verso de amor

Moacyr Sacramento, o Moa.

Enviar um comentário