domingo, 7 de fevereiro de 2010

Projeto Pensamentar II/ Segmentos.


Era uma vez ...


Um nobre homem, arquétipo do bem. Parecia na Nobre Corte, tratar seus súditos de maneira justa, até que um arquétipo do riso, ao tentar distrair a corte reunida, cantou uma história diferente ... sim, cantou ...e tinha cítara em mãos ... o povo riu , se encantou, mas também se questionou ... e aos poucos abriu os olhos, os ouvidos e a mente adormecida e comandada, dominada.
E a máscara  caiu, de chofre!
E a alma revelou-se, mesquinha e vil.
Entre lutas no domínio do feldo, ainda o nobre homem reina, ele tem moedas acumuladas, terras apropriadas, súditos fiéis ... e seguidores iludidos ou sábios estrategistas, porque também aprenderam ao longo do tempo, a lei do mais forte e do ludibrio.
Mas vive sem sossego, esperando por alguém querer tomar sua vida ou seus bens.
É o preço que se paga, por todo e qualquer ato.
E a história acaba assim : entre risos e máscaras!
Um Bobo-da-Corte, um Nobre e o Povo, todos de acordo.


Risos....
primeira parte do ato I, Nobreza coesa.


* Não sei se sigo a história ...pra não cair no mesmismo ...
Então, ato II ...fica à deriva dos acontecimentos ... se algo mudar, prometo que conto ...
Risos!


Tata Junq
Enviar um comentário