segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Poetando.




Como lavadeira
do rio,
canto pra te
agradar.
Lavo a alma!
Lavo a alma!
E ela,
clara,
voa ao vento,
qual lençol,
marcada no tempo,
a
tremer
de
frio.


Tata Junq
Enviar um comentário