segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Poetando e desestruturando




Cola em mim
como canção
de
outono.
fugidia,
desfolhando
ao chão.
Toma meu
coração.
Cifra-me
com ferro
em brasa
e
não saia
sem
o
atrevimento
do
sim.


Tata Junq
Enviar um comentário