domingo, 19 de julho de 2009

Momentos.


Dê-me sua mão,
me acalma.
Dê-me seu amor,
e eu darei minh'alma.
Sente-se bem perto,
acenda os sonhos meus.
Abraça-me na certeza,
de um querer eterno.
Mostre-me seu olhar intenso,
belo ...
e eu me perderei,
cofesso de mim,
num amor sem fim.
Fique, eternize!
Esse momento é pleno,
doce,
é melodia que inebria.
Contentar-me-ei,
no entanto,
se ficar,
ao menos,
um mísero
instante.


Tata Junq
Enviar um comentário