sábado, 4 de julho de 2009

Momentos.




Gostaria de ser luar,
refletir no seu olhar,
em lágrimas.
E nos refluxos,fluxos,
das marés lunáticas,
enxugá-las,
uma a uma.
Depois,
buscar sua alma,
colocando-a
em cratera calma.
É assim amor lunático:
teimoso,
enfático.
Hoje sou luar,
e
te convido a amar,
um doce amar,
um puro amar...
sem dor,
sem medo.
Ainda sou,
luar-metade.


Tata Junq
Enviar um comentário