quinta-feira, 28 de maio de 2009

Poetando.

Chora
manso,
bem baixinho,
meu coração-poético.
Chega perto,
vem sem medo,
espreita esse chorinho,
guardado segredo :
amor-sem-fim,
só teu.
revelo-me sem jeito,
sem graça ...
neste choro
contido
e discreto.
Vem!


Tata Junq
Enviar um comentário