sexta-feira, 25 de abril de 2008

Liberdade de libertar.



Viajo no espaço do tempo, que hora determino.
Consigo chegar tão próxima de mar , e com espírito jovial, corro e depois caminho, deixando pegadas na areia.
Sinto o vento contra o rosto _ momento poético, sem dor.
Sinto a brisa que vem do mar sereno.
Sinto o ar entrar nos meus pulmões.
O coração saltita, enebriado de amor.
Sou livre, sou livre!
Livre , sou.
Caminho ... caminho ... sem pressa ou hora de chegar e onde chegar.
L-I-V-R-E!
Agora, em boa hora.
Enviar um comentário