quarta-feira, 30 de abril de 2008

Poetando às avessas.


Há tanto a falar ... e naturalmente a escrever ...tantas novidades deste dia que mereceriam registro. Mas seleciono as ansiedades , primeiro ... e depois, brinco com as palavras...brinco?
Eu brinco
Tu brincas .. ele brinca de brincar.
Então, brinco também.
Brinco
com
a
brincadeira
da cadeira.
E
não
me
sento
não.


Brinco com a brincadeira
do
pião, que
gira-gira-gira ...
no
chão.


Brinco com a brincadeira
do
viver
vivendo
emoção.


Pião, vida.
cadeira...o disputar de
cada emoção.


Quem caiu ao chão?
Eu, não...
eu, não ...
eu , não ...


Viu, seu bobão?!

Tata Junq

terça-feira, 29 de abril de 2008

Meus registros: FOTOGRAFAR & PENSAMENTAR (Paradas necessárias.)


Pausa pra comer ... ninguém é de ferro...é essa compulsão de escrever, tem feito mal à minha gastrite, aos -ites, da minha inconseqüente vida.Deveria estar me cuidando , policiando-me ... melhor. Mas não se aflijam, meus amigos ... não sou poeta do Romantismo, período do "mal do século". Vivo e transpareço. Minhas delimitações físicas, somente me acordam para a vida. Eu gosto da vida! E não desprezo nenhum momento ...passado, presente ou futuro. Ah... o futuro ...espere por mim ... vivenciarei cada segundo do presente, esperando oportunidade futura.
Pausa pela segunda vez ... o latido, "diferente" de nossa cadelinha, chamou minha atenção ... e não era pra "avisar" que o jabota, Miquelângelo ... estava de ponta-cabeça? Solidária, amorosa, segue seu percurso ...Grace é o nome da nossa companheirinha ... é uma anciã ...nunca foi mãe biológica, mas adotou todos os animaizinhos que por aqui passaram. O jaboti, dorme com ela e ela permite, divide seu espaço, sem muitos resmungos ... assim o fêz com o Faísca, nosso gato siamês, desaparecido. Quando isso aconteceu, ela quase morreu de tristeza, nem sequer comia... Ah... os animais domésticos ... tão amorosos, tão submissos às ações dos donos. Deveriam ser mais respeitados e bem cuidados ... no entanto, uns sofrem agressões diárias... ou melhor, eu diria... muitos. O que esperar do ser humano, não generalizando, já o fazendo ...?
Enquanto o pequeno ser, do meu quintal zela pelo seu companheirinho ...lá fora, crimes hediondos acontecem diuturnamente. E quem cuida de quem?
Quem é quem? Não importa ... verdades estão à mostra, a mídia não nos deixa esquecê-las até a exaustão! O que muda no entanto? Tragédias continuarão acontecendo... aqui ou acolá ... O ser humano é tão complexo, ignorante ...e a vida continua. Pausa, a terceira ... para chamar sua atenção ...o quê faz para melhorar o Mundo? É capaz também de melhorar-se? Tem a capacidade de plantar bondades? Não adianta somente resmungar, refutar ... faça por merecer-se, sem no entanto, esquecer do próximo, muita vez tão próximo.
Fica o exemplo de hoje, desta sábia anciã, Grace.
É chamada pra mim, pra você ...é possível distribuir amor em qualquer tipo de atitude, sempre.


Tata Junq

O sorriso ... Poetando.



O quê mais bonito?
O quê mais perfeito?
O que comparar
à grandeza do mar,
à luz da manhã,
ao verde das folhas novas e intactas,
ao azul do oceano, mágico e vibrante?
_ O sorriso simples,
perfeito,
justo e
ingênuo
de uma criança!

Tata Junq


Ufanicamente, Brasil. Poetando.


Grilos.
Cigarras.
Coaxar dos sapos e rãs.
Brilho dos vagalumes.
Brilho das estrelas, de um céu
sem poluição.
Aqui mora a tranqüilidade,
na noite, poeticamente falante.
Aqui mora um ser,
sem ser, vencido
pelo cansaço.
Num mundo chamado: Terra.
Num país, chamado: Brasil.
Ufanicamente, resplandeço o berço,
o cheiro e a cor deste chão.
Aqui deixo, sem susto,
sem pressa,
sem compromisso,
o meu coração,
poético,
patético,
sem jeito, do jeito que dá.
Aqui me deixo.
Aqui resplandeço.
Aqui sublimo-me,
diante da magnitude,
da virtuosidade,
inflamante,
devorante,
deste país.
Sem susto, aqui
eu fico.
Aqui me cubro.
Aqui me deito.
Eu juro, que fico!


Tata Junq

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Ao velho, com respeito e amor..



Hoje, ao ultrapassar a porta da sala, da casa simples, de aluguel, mas bem cuidada ... vê-se o velho, na cama improvisada. Não há lógica, não há nexo ... cama na sala ... decerto para alguém estruturalista de ambientes. Há lógica, há nexo, no contexto da vida e é o que se estabelece nesta casa simples.
O quadro visionário, arquétipo, é o de muitos velhos, que hoje sobrevivem a um holocausto governamental, somos um país, "já "de 4º mundo.
É um velho que precisa de cuidados, que poderia ser assessorado de forma humanitária, porque fêz, contribuiu para o crescimento de uma geração. Só não fêz mais, por delimitações, que a própria sociedade brasileira, sempre impôs a um homem simples, de vida simples, de sacrifícios, de partilhas ... e lutas contra a fome, a miséria, tentando ser sustentáculo da família , lutando pela comida na mesa, pelo dinheiro do aluguel ... somando, sempre, destribuição de renda familiar. Deu poucas chances de estudos aos filhos, mas na imagem deste velho está implícito o seu trabalho simples e árduo de um pintor de paredes e quebra-galhos como servidor de pedreiro em algumas empreitadas simples ... piso, calçadas ...nesta imagem, o homem que cuidou de uma esposa doente, que cozinhou, que limpou casa ... nesta imagem, o homem que muito bebeu ... e de muitos porres e desestruturação ... nesta imagem, o doente que correu para hospitais e médicos e ... que achou vaga, em hospital" pago", diga-se de passagem ... nesta imagem, o homem que hoje depende de um filho, que vive momentos recessivos neste país embriagado e desordenado. Hoje este homem não poderá ir à hospitais pagos. O tratamento feito é delicado, como as finanças que por hora, somamos ...vezes em desespero, pensando que poderá ficar mais comprometido por não podermos assessorá-lo financeiramente.
A imagem é de fragilidade. Por momentos ele fica pensativo, passado, por tantas dores e medos ... turbilhões em sua mente, mistura de pensamentos ... passado, presente e futuro incerto.
Até quando, esta imagem triste e desolada, não sei.
A cada momento, quando atravesso o portão, adentro àquela porta simples, azul, espero não sei o quê.
Hoje ele não sorriu, nem quando brinquei com ele. Fiz aquela barba espinhosa e branca...a matéria não ajuda. Seu semblante é cansado, desanimado. Seu íntimo chora.
Aquele rosto magro, aquele corpo magro, canceroso, trombosado, está declinando. É misto de dor, desânimo e cansaço. Antes havia luta, hoje, resignação.
Este velho cansado e dolorido, poderia ser meu pai, mas não é. Sou sua filha , mesmo assim ... como sou de muitos velhos cansados, que precisam de solidariedade humana.
Desta imagem , brota a imagem de uma parcela da velhice desestruturada deste país.
Hoje, o poder arbritário, corrupto, está em campanha, não a da fome, a da família, a do menor carente ... visa uma campanha especial, a da subida ao poder, novamente ... e "domínio" do país, através da presidência.
" Por que será, que querem ser presidentes?"
Amanhã, depois, veremos o mesmo quadro: _ um país falido, corrompido, cheio de misérias ... veremos velhos como este, senão esse, outro portanto, em semelhança desesperadora. Velho que sonhou moço. Veremos moços que sonharam ,crianças. E crianças que nem sonharam ainda.
Porque, neste país ufano e lindo, o povo sonha sempre e acorda na amargura da mediocridade política-social mal empregada, mal destribuída.
Haverá um dia de sorriso e bem-estar na boca do povo sofrido deste país?
Num amanhã não muito distante, uma boca ficará mais muda que esta , agora. Os olhos cerrar-se-ão de vez, sem ter desfrutado de uma velhice com dignidade.
Espero, nesta imagem fúnebre, tétrica, o remontar de um sorriso, da criança, que acorda agora para o mundo. Quem sabe, esta terá orgulho em fazer uma crônica sem denúncias, desse país, já passado a limpo.
Quem sabe a imagem de um velho, seja refletida com a naturalidade da morte, sem pesares ... Que não haja pêsames e luto, também a este país!


**** Este texto é de 08/03/1994 ... cabível aos nossos dias?
O que mudou?
Deixa eu ver ... o ...., o ..., o... quê mesmo?!
tata junq

**** Este querido "velho" a quem me referi, foi meu sogro,meu pai ...
e sempre me considerou sua filha "legítima".

**** Continuo indignada!

Tata Junq

domingo, 27 de abril de 2008

"Eu sei".Papas na Língua. Momento Reflexivo.


" Tudo pode acontecer, eu sei
nosso amor não vai morrer.
Vou pedir aos céus
você aqui comigo.
Vou jogar no mar
flores pra te encontrar
...
Não sei
Por que você disse adeus...
guardei o beijo
que você me deu.
Vou pedir...
You say good bye ... and I say hellow. "
(Eu sei, Papas na Língua)
Letra tão simples, musicabilidade tocante, ritmo gostoso de ouvir.
O romantismo ainda voga?
Há tantas maneiras de demonstrar amor, saudade, apelos.
Até que ponto estamos preparados para um adeus ...
" Vou jogar flores no mar, pra te encontrar", diz a letra.
Busco e experimento o saudosismo de um amor, que ficou pra trás.
Eu não jogaria flores no mar ... recolheria as flores jogadas no chão, no dia do meu adeus. E diria, ser tolice ter medo do amar, de suas consequências ... e do futuro. E ficaria, novamente, em momentos de amar !
Como é bom ter saudade, sem dor, quando resgata-se apenas ... momentos de amor ...
Como é bom!
Romantismo em alta, agora. Cafona, brega, não importa.
Saudade de você ...


Tata Junq

O Mágico Das Ruas.

sábado, 26 de abril de 2008

Sobre o amor.


Todo o poeta é um fingidor, já dizia F.Pessoa. E eu acrescento, multifacetado, uma explosão de eus ... total e incondicionalmente emocionado.
Hoje quero falar de amor, universal, pessoal, incondicional ... não importa.
Diz o dicionário: ( e eu acrescento, sinonímias)
1- afeição profunda.
2- dedicação extrema e carinhosa.
3- apego.
4- sentimento profundo e caloroso.
5- carinho; ternura.
6- cuidado; zelo.
7- pessoa amada; ser amado.
8- relações amorosas; namoro.
Diz o dicionário: ( eu acrescento, antonímias )
1- desamor.
2- ódio.
3- aversão.
As sinonímias deixam claro, que é uma afeição. Extremista?
Qual a profundidade?
Mede-se, avalia-se ou sente-se, tão somente?
Não estou preocupada se ele causa espanto, regozijo ou dor.


Onde o amor?


No olhar solidário.
No apelo.
No sorriso.
Nos gestos e
afagos.
No coração.
Na alma.
Nos dedos ... no toque.
No ar.
No pulmão.
Nas veias.
No sangue ...
penetrando soberbo e ignorante
de todo e qualquer mal.


Onde o amor?


No parque,
nas flores,
na relva,
nas árvores,
nos sorrisos irmanados,
ali encontrados.


Onde o amor?


Na canção,
nas notas musicais,
seja lá no piano,
cítaras, violinos, violões.


Onde o amor?


No chão,
na terra morna,
nos passos seguros,
nos inseguros ...


Onde o amor?


Cabe em qualquer espaço.
Agora, no meu possível
abraço.


Quanto às antonímias ... ah, estas deleto agora e para sempre!


No meu espaço,
somente amor.
No meu abraço,
somente amor.
No meu sorriso,
somente amor.
Na minha alma:
menos dor.


Ah, o amor ...
tão frágil
tão forte
tão fácil
tão difícil
tão seguro
tão inseguro
tão dolorido
tão ameno
tão antagônico.


Ah, o amor!


Perene?
Pra sempre?
O que importa?
Amemos amar... e ... tão somente.
Amemos amar!
Para sempre e desde sempre.
Tata Junq

Canção do amor fraterno.



Onde ...
Onde está que não responde?
Amigo,
irmão terreno?
Por qual via, é o teu caminho?
É de pedras?
... de sonhos?
... de esperanças?
... de rancores?
... de medos?
... de alegrias?
... de verdades?
Seja qual fôr o escolhido ...
a cada pedra,
a cada dificuldade,
a cada frustração,
a cada dor,
a cada falta de amor...
Estarei
mesmo na via paralela...
observando,
orando,
energizando com amor,
cada passo seu.


Tata Junq

Para refletir / Campanha virtual para a paz.



É um texto que tem dono, Noeli _ Campanha Virtual para a Paz.


Está aqui postada pelo valor que oferece à reflexão. Não está na íntegra, mas o que aqui está é de bom "tamanho" para o seu fim _ o recomeço, uma nova estrada, uma perspectiva ... que todo ser humano merece considerar.


" Sabe aquele momento que a gente pensa
que chegou no limite das próprias forças
...
Esse momento, ao contrário do que parece, é
justamente ponto de partida ...
...
... alguma coisa deve ser feita
...
Não espere que outros construam para você
planeje e faça!
...
É humano se sentir fragilizado às vezes
e mesmo necessário para que tenhamos
consciência que não somos infalíveis,
não somos super-heróis, mas seria desumano
parar por aí. É injusto.
para...
mas principalmente para contigo mesmo.
...
Se alguém te feriu, cure-se !
Se te derrubaram, levante-se !
Se te odeiam, ame !
Erga-se ! Erga a cabeça !
...
Olhando pra baixo só podemos ver os próprios pés.
É preciso olhar pra frente.
É sempre possível fazer alguma coisa.
...
Onde errou, não erre mais !
Onde caiu, não caia mais.
Se você já passou por determinado caminho,
deve ter aprendido a evitar certas armadilhas.
Então, siga !
...
Não se esqueça de uma promessa
feita pela Bíblia
" Esforça-te e eu te ajudarei."
... "


Agradeço a oportunidade de poder transmitir essa mensagem, como muitas que recebo de Noeli.
Cada uma é um convite à reflexão e posterior meditação.
Quem não precisa de reformulação? Que "atire a primeira pedra"!
Penso que deveríamos estar sempre predispostos a aprender e colocar em prática o viver melhor.
Hoje ... parada à reflexão... é o meu convite.


Tata  Junq



O que é a morte?


O fio da meada no fim
é começo, recomeço
para construção.
Cada um com seu novelo.
Elo, no entanto,
do novo e do velho.
O que é a morte?
O continuar da vida.
Sem mistérios.


Tata Junq

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Liberdade de libertar.



Viajo no espaço do tempo, que hora determino.
Consigo chegar tão próxima de mar , e com espírito jovial, corro e depois caminho, deixando pegadas na areia.
Sinto o vento contra o rosto _ momento poético, sem dor.
Sinto a brisa que vem do mar sereno.
Sinto o ar entrar nos meus pulmões.
O coração saltita, enebriado de amor.
Sou livre, sou livre!
Livre , sou.
Caminho ... caminho ... sem pressa ou hora de chegar e onde chegar.
L-I-V-R-E!
Agora, em boa hora.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Um dia tão complicado e difícil...de perdas

Aguardo meu filho chegar. Jovem e tão reponsável, tão amado e tão amigo.
Continuo triste ... é uma tristeza que dói, que machuca.
Penso ... penso ... penso ...
O que leva as pessoas a preconceberem julgamentos, às vezes sem tanto conhecimentos de causas?
Ah, o conhecer ... às vezes pensamos conhecer alguém pelo fato de conviver tempo com ele ... e no entanto, a alma humana possuidora segredos , nem sempre se mostra por inteiro e aí temos surpresas. Mas o que dizer, então de alguém virtual?
As metodologias da Net ... comunicação...escrita . videos, fotos...tudo tão limitado ... jamais conseguiremos, na brevidade do tempo e espaço, conhecer alguém na profundidade.
Gosto do virtual, mas gosto muito mais do olho no olho, mesmo que breve, diz muito. Gosto das palavras no frente a frente. Mas gosto do teor da sensibilidade.
Continuo sensível, doce e amarga. E ... quando quero bem, realmente quero ... perto, longe ou no espaço virtual.
Não gosto de ser prejulgada e nem rotulada. Não consegueria modificar-me , para que alguém me aceitasse. Violaria os meus princípios de ser, o que sou, sem tirar nem pôr. Teria de ser "x" para agradar? Mediria comportamentos de comunicação? Não ... sou o que sou ... criativa, muita vez séria, contemplativa, serena, alegre ou triste. Não tenho que ser simplória ao escrever, quando minha mente processa o gramaticalmente correto. Não posso ser ou ter a linguagem jovem, se não o sou. Mas o universo deles , jovens, tento entender muito bem e acho que faço minha parte ao longo de minha existência, já que sempre lidei com eles. Permito-me incorporar suas linguagens, quando julgo ser adeguado e tem de ter espontaneidade. Porque assim sou, igualmente espontânea.
Hoje, li, tristemente uma postagem e me enquadrei nos dizeres ... e doeu demais.
Fêz-me questionar os valores de uma amizade. Amizade cobra perfis? Somos aceitos , ou não, pelo que somos ? Somos imperfeitos!
Mais triste ainda foi ver um espaço vazio de uma postagem, retirada.
A minha postagem deste dia, 23/04/08 , ficará ali , firme ... porque foi sincera e singela.
Os meus sentimentos , livres de qualquer preconceito, continuam intactos. O meu carinho é o mesmo. Só estou triste, muito triste ... duplamente triste. O mundo real, perdeu um ser jovem. O virtual
deixou espaço em branco. Quem se retirou ainda terá seus dias de chance de vida, com menos amargor e mais amor.
E eu, embora sofrida, continuarei trilhando meu espaço na vida real, na virtual ... verdadeira, inteira _ cheia de amor a destribuir e a receber.
Choro por todo o dia de hoje, sem vergonha nenhuma. Choro,choro e choro.

Manhã doída

O dia é claro. Fará calor. Mas...há corações aflitos.
Encerra-se um ciclo, por pura opção.
A jovem suicida disse adeus à vida e hoje será seu funeral.
As razões ainda são obscuras, mas claro está a opção por não mais viver.
Que pena, tão jovem, certamente tão bela.
Hoje, muitos corações sofrem _família, amigos.
Enquanto muitos lutam por suas vidas, ela optou pelo fim da sua. Depressiva? Mal amada? Tão jovem, ainda _ 21 anos.
Tragicamente, foi-se embora , jogou-se de um viaduto.
Não importa o porquê, quis desligar-se deste mundo, o dos vivos _ tão cruel, tão inóspito assim?
Que segredo habitou naquela alma?
Os jovens deveriam transpirar vida, alegrias, sonhos, esperanças, futuro. Ela, no entanto, rejeitou-os.
Estou triste.
Descanse em paz, o seu espírito conturbado.
Lamento, que pena! Que pena! Que pena! A vida não vale a pena?
Ela não viu o amanhecer ... deste dia.
Não será sorrisos e provoca lágrimas.
Lamento, lamento, lamento.

Tata Junq

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Simphony of Love.

Recebida, hoje.
Que bom! Que ressoe a todos os ouvidos, essa sinfonia, a do amor.
Um dia que começa, ensolarado e motivado por um amigo.
Como é bom ter amigoas!
Como é bom existir esperanças!
Como é bom sentir amor!
Hoje tenho amor a dar, até pras formigas! Há! Há! Há!
Ontem, sofremos o impacto, por cinco segundos, da terra... t-e-r-r-e-m-o-t-o!!! No Brasil, em S. Paulo e ... faz-nos acordar pra vida, que continua nos oferecendo novas chances e perspectivas.
Estou feliz! Encantada pela vida. Encantada com você, Alê! Encantada com as formigas que rondam minha janela ... hoje não colocarei veneno no caminho delas ... não colocarei veneno em minh'alma ... somente musicabilidade e amor.
Tata Junq

Olha o peixeeee!!!

Aos sábados e quartas feiras, a campainha não tocará mais, de forma insistente e tresloucada ... dim-dom, dim-dom, dim-dom, dim dom!!!! Peiiixe! Peiiixe!
A boca do tiozinho emudeceu.
Soube de sua morte. Estava trabalhando, limpava seus peixes, caiu.
Aos poucos ou de maneira desenfreada ... a vida muda. Os hipermercados estão aí, atendendo seus consumidores, mas ele insistentemente vendia sua mercadoria nas ruas, casa em casa, aqui nas redondezas. Método antigo, ultrapassado... mas tão único, insistente ... buscando sua sobrevivência.
Ele e seu carrinho de mão! Ficará no inconsciente ainda, o chamado às 4ª feiras e aos sábados.
_ Merluza, pescada branca, sardinha ... olha o peixeirooo! Sardinha!!! Merluza!!! ... Olha o peiiixê!
O peixeiro, sem nome, o tiozinho, morreu e carregou consigo sua fé _ era Pai de Santo. Convites não me faltaram para ir ao seu espaço e receber graças à saúde comprometida.
Puxa! O que será de sua esposa?
A vida continua ... sem os peixes do peixeiro, sem ele. Dura, sem tréguas.
Peixeirooo! Peiiixê! Sonoros chamados, findaram. Só não finda, a esperança de dias melhores!
Tata Junq

terça-feira, 22 de abril de 2008

Então ...

Então ... "falo" com um amigo ( MSN), escuto música ( Bee Gees) e penso que ao preencher a tarde que começa a cair...( que expressão idiota) . Ah!... a temporalidade. Se manhã, se tarde, se noite ... estou aqui na espera . Espera de esperanças ? Não sei o que realmente espero e quero ... se quero estar, se quero ficar, se quero meditar ... só quero escrever, escrever e escrever, mesmo que bobagens. Mas, não tenho pressa ... quero administrar qualquer tempo que eu tenha em disponibilidade ... rindo, chorando, cantando ... sei lá o quê, fazendo.
Agora, cantarolo, canto e danço com a banda Chicletes com Banana!
Delícia! Chiclets?
Não ... dançar ... com meus pensamentos ..
Então ... DJ ...aumenta o som!!!


Tata Junq

Criando pensamentos / Meu registro: Fotografar & Pensamentar

Noturnar
anoitecer
pensamentar

rascunhar
o amar

conjugando
o ser, sendo
sem ser
angustiado

pensamentar
pensamentar
pensamentar ...


Tata Junq

Poeminha onomatopaico ...



Tic ... tac - tac !
Tac ... tic - tic !
Relojinho.
Bram ... brum , brum ...
saída
do caminhãozinho.
Ic , ic - ic - ic ...
soluço
do
Joãozinho!


Tata Junq

Denúncia



João? Joãos?
Presente, presente, presentes ! ...
Sem dentes !
Sem dentes !
Sem dentes !
Maria ? Marias ?
Presente, presente, presentes ! ...
Nas rodovias !
Nas rodovias !
Nas rodovias !

Brasil indecente!!!!
Tata Junq

Ecos



Pode me ouvir?
Pode me ouvir?
ouvir... ouvir ...
Ajuda-me.
Ajuda-me!
Ajuda...ajuda...
Ecoa
a
A-l-m-a.
Ecoa, ecoa ... coa- coa- coa- coa...
... oa...oa...oa...


Tata Junq

No fundo do poço.


No fundo do poço, água.
No fundo do poço, o jovem que se deixou levar pelo prazer das drogas lícitas e ilícitas.
Quem vai resgatá-lo? Bombeiros? Família?
No fundo do poço, o jovem ...
Lamento tanto sofrimento, prazer e dor.
Lamento, a falta de amor : próprio.
Rezo para cada um, nesse momento.
Peço por cada um, nesse momento. Que a dor, passe. Que a angústia, passe. Que o prazer-doido e doído, passe. Que a vontade do uso desses prazeres, seja superada. Que a vontade de viver, seja resgatada.
Que a mão do amor alcance cada um, como faria um bombeiro hábil, que desce o poço.
Que a mão de amor paire sobre sua cabeça ...e num afago, sem preço, levante a moral e dignifique sua inquietante vida.
Por hoje ...
Por hoje, abstinências ... sem desistências ...
Amém.


Tata Junq

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Somente pensamentos...



Acalma-se o dia... lentamente a noite inquietante abraça o Mundo. Lembrando que o inverso também está acontecendo ... gira a Terra ... gira. Espalha e espelha sua beleza descomunal. Orbita ... e carrega todos filhos seus ... todos seus espaços, aguosos ou não.
Carrega a possibilidade de futura inexistência ...e quem a vê assim tão linda, tão bela, tão serena?
Poetas do acaso?
Por acaso, no acaso ... ela é tão bela, abriga-me e me obriga ficar mais um pouco na espreita , sem telescópio, sem satélites, sem base espacial ...
Por acaso, no acaso, sonho. Por acaso, no acaso, vivo ... momentos de torpor e amor.
Mãe - Terra!
Tão azul e tão verde!
Tão intacta, ainda.
Não quero buracos negros, não quero cometas ...nada a destruí-la.
Quero ar, terra, mar ...tudo por inteiro.
Tudo por i-n-t-e-i-r-o !!!
Mãe-Terra, até quando?
Orbita ... orbita ... por hora, em paz .
Tata Junq
...

No ... Momento Reflexivo.



No rio dos
sonhos
depositei
minhas lágrimas.
Não causei inundação.
No jardim
dos sonhos
depositei
meus sorrisos.
Causei transformações.
No hemisfério
da vida
Marquei território :
_ evolução!

Tata Junq

domingo, 20 de abril de 2008

Doce sorriso: Poetando.



Sorriso
doce
sorriso
belo.
Belo, belo,
sorriso doce.
Doce,
doce,
doce ...
chega, que mela : encanto.

Tata Junq





Exposição. Momento Reflexivo/ Poetando



Saí do mar,
transbordando água.
Saí do céu,
espalhando nuvens.
Saí do chão,
sem nenhuma emoção.
Saí de mim
ganhei o mar,
ganhei o céu,
ganhei o nós.

Tata Junq

Vida / Meu registro: Pensamentar & Fotografar .


Sua vida é como o mar ...
sereno,
transbordante,
suavemente imenso.
Quero
ter
o
prazer
de
nele
mer
gu
lhar
... e
eternamente,
ficar.


Tata junq

Vida


É o espaço,
um tempo em disponibilidade.
Seu, nosso, deles.
É um tempo inteligente,
reformador.
E ,
tempo ,
que só cabe
o amor.


Tata Junq

Vida. Pensamentar




Viagem perdida
no tempo,
no tempo que me dá ...


Viagem sem volta
no tempo
negado.


viagem sem rumo ...
falta-me você.


tata junq

Vida


Minha vida é como a manteiga,
derretida,
lambida no pão,
com gosto ...
com amor disponível,
sem preço.

Tata Junq

Sentir, apenas.



Chove a alma
de encantos...
por você.
chove o céu
de prantos ...
por nós,
no entanto.
Triste, tristeza, triste ...
É capaz de ouvir e
sentir meu pranto?
Chôro, choro ...
chove a alma ...
chove a alma ...
chove a
a - l - m - a ,
inundando
e afogando a razão.


Tata Junq

sábado, 19 de abril de 2008

Sapo. Sapos? Sapos!!



Paga-se micos ou sapos? Como amo sapos, paga-se sapos, sapos e mais sapos.

Pague ingresso agora, para adentrar no meu recinto - sapos.

Hoje abraço sapo.

Cuspo: sapos.

Grito: sapos.

Grito: s-a-p-o-s !

Como: sapos.

...

S-a-p-o-s, tomarei quentinha, agora... e todo dia de frio.

Hoje está frio, é noite chuvosa. Abraço o meu sapinho, aperto sua barriguinha, ouço seu coaxar ... e pego no sono.

É bom dormir e sonhar.

Odnahnos sopas. odnahnos sopas.

Arepas! Arepas! Rahnos!

Arcnirb!

Há! Há! Há! ... não sabe brincar? É só desvirar, poxa!




Tata Junq


Sino Tibetano. Momento Reflexivo.



Por quem o sino dobra?
Não é filme, nem alusão a.
O sino tibetano, forjado à mão, tão lindo, forte, carregado de energias, toca por você, Deinha ... que fêz sua busca até encontrá-lo, realizando o meu desejo.
Ele toca forte, batidas rápidas, porque assim o manipulo.
Toca por você, para você.
A cada som, remeto energias à sua alma inquieta.
Repico, repico ...
Acorda, alma intranqüila!
Viva!
Sonhe!
Aconteça!
Celebre a vida, antes que anoiteça.
Toca o sino...
Toca o sino...
Ouve?

Tata Junq

Suaves sussurros ...



Ao som de Moolight Sonata de Bethoven ... "suaves sussurros soaram suaves", este pensamento aliterado, que não é meu, inspira-me.
Sussurros chegaram ao ouvido da alma, doces, singelos. Trazem calmaria, deleite. Arrumo com jeito minhas dores, meus amores _ um a um, como cada nota crescente ou decrescente do piano. E vão ... deslizam! E junto os pensamentos ...
D'alma:
Os olhos? Espreitam um lugar tranqüilo, verdejante.
Os ouvidos? Escutam ruído das águas, possivelmente formando um reservatório sereno.
A boca? Redevolve a doçura do amor.
O tato? Sente cada pedaço de você.
Toca Moolight ...

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Agradecimentos

Consagro a vida...com todas as alegrias, tristezas, conquistas, perdas ...todo esse oscilar que ela me proporciona. É desse vai-vem que retiro forças prá continuar minha jornada, vezes tão difícil.
Existe, hoje, em especial, uma sensação de espaço preenchido ...sinto tão perto o amor de meus pais ... cada um à sua maneira ... exatamente sem pôr, nem tirar. Sou capaz de ouvir o "parabéns a você...!", sempre cantado às 2 horas da tarde, por meu pai... visualizo aquele sorriso ímpar de minha mãe...aquelas "covinhas" tão lindas e especiais,quando ela o escancarava...e os abraços? Sinto-os ...juntamente com o amor que emanam.
Posso dizer que não há dúvidas de meu amor, eterno. Nem da eternidade que nos aguarda... dia desses comemoraremos no "céu"! No espaço?
Hoje, no e-s-p-a-ç-o, dos seus abraços ... comemoro minha vida singular.
Gratidão, hoje e sempre ... pela oportunidade em luz, pelo caminho que foi colocado `a minha frente ...e amor partilhado ... que sempre me conduziu.
Obrigada, papai. Obrigada, mamãe.
Eis aqui minha vida compartilhada!


Tata Junq 

quinta-feira, 17 de abril de 2008

O que dizer da morte...



Houve avisos que minh'alma não entendeu. Falei e fiz registro sobre a morte na minha página do Orkut ... comprei um livro cujo título é"Cura dos Traumas da Morte"... o li, fiz registros nas próprias páginas ... e continuei despreparada.
Hoje, data a morte de uma grande amiga. O câncer a venceu. Ou ela o venceu e se libertou?
Ah, Sueli ... grandes asas!!!
Voou longe, livre, livre da dor ... deixando no ninho do amor, seu filho, tão amado, tão jovem.
O quê dizer da morte? É passaporte certo para que valorizemos a vida e a presença dos que amamos. Sim, enquanto há ainda tempo.
Então digo, de forma antecipada, morrerei um dia, é fato. Carregarei no entanto, todas minhas verdades... alma livre de hipocrisias, transparente como riacho virgem ... esperando não haver lamentos ... porque aprendi que o importante é vivenciar o hoje , o que posso, o que me permito. E quem fôr companheiro- presente ... não terá do que se arrepender. Não deverá nada! Se é que possamos dever alguma coisa a alguém. Amar é presença. Por quê dos dizeres? Porque assim sou eu ... irremediavelmente irreverente, sonhadora ... mas consciente de tudo e de todos.
Não lamente ... fui feliz da minha maneira ... cantarolando, escrevendo ... escrevendo , amando ... e agindo, sem dúvidas. Lutando com minhas dores, internas e externas ... mas ... autenticamente.
Já fica o registro.
Por enquanto, vivo e me basta.
Entre lágrimas, hoje. O meu sorriso desbotado e triste emudeceu minh'alma.

Tata Junq

Reconstruir. Momento Reflexivo



Abri a janela. Vi vizinhos descontentes, outros colocando mais madeiramentos obtidos nas ruas, junto os papelões...
Lixo! Casas de lixo! Lixo reaproveitado de uma sociedade consumista e vezes cruel. Quem espreita estas dores? Seus amores ou falta de?
Hoje abri a janela prô mundinho tão próximo. Vi crianças remelentas, quase nuas.Vi cachorros de barrigas gordas de vermes. Vi olhares de desdéns, outros de revoltas, outros pidonhos. Vi sujeiras dos espaços ocupados... garrafas vazias, papéis, papelões, roupas rasgadas e sujas, cachimbos de crack...Não vi sorrisos ... só pressas e indolências, contrastantes.
Não vejo almas, nem corações _vejo que vejo somente seres robotizados, na corrida desenfreada do dia- a-dia, que parece tão claro e normal. Vejo jovens, homens, mulheres ... saídos de transes, gerados por consumo de crack, álcool, maconha ... colas ... tudo puro prazer e posterior, dor. E ...o corre-corre dos trombadinhas, seus arrastões , também.
Vejo um beco, literalmente. Sem saídas.
A vida caminha com ou sem faltas de pernas ... rápida.
Quantas janelas fechadas, no entanto.
Quantas janelas que só proporcionam olhares ao horizonte. Quantas internas, voltadas aos seus próprios interesses?
Deixo a luz entrar pela janela, com pesares e também com algumas esperanças : de dias, de governo, sociedade, melhorados.
Quero, não posso ou devo fechar esta janela _ minha consciência.
Abrindo janelas, por favor?!
Depois fazendo sua parte, sim?!
Lembrete urgente : Reconstruir a desconstrução.

Tata Junq

No mar dos pensamentos...



Já viu e ouviu o crepitar da madeira, queimando no fogo alto? Já sentiu o calor que emana do fogo contrastando com o frio da madrugada? Já sentiu o calor de um abraço? É madeira queimando, quebrando o frio. É também aconchego necessário, contrastando com o frio da madrugada. Estar em abraços, são minutos de solidez de sentimento, de agradáveis momentos de amar.
Quero abraçar o Mundo, a todos.
Hoje, quero abraçar todas as crianças em abandono ... e com o calor emanado de meus braços, acalentá-las no frio da madrugada ...
Por quê?
Porque perambulo em pensamentos ... e ando nas ruas e espreito cada esquina. Meu olhar se perde na dor.
Quero abraçá-los, agora ... um a um. Quero que meu olhar penetre e distribua carinhos, sem palavras ... e, no meu abraço dizer que não estão sozinhas.
No mar-de-meus pensamentos, tudo pode.
Então, por hoje as retirarei das ruas, alimentando seus corpos e almas.
Só por hoje, posso.
Abraço a dor, da falta de amor.

Tata Junq

Rio dos sonhos



As águas límpidas do rio dos sonhos, transbordam energias, agora, puras.
Espelham minh'alma _ tão fosca, tão sem jeito, tão sem brilho.
Ah! Duendes, Yaras... desta floresta de cores e amores... vêem esta face oscilando nas águas? Ela chora dores, tem sulcos, marcas da saudade, de enfrentamentos ... tem rugas ... ficou velha, dura como ébano.
Ela precisa de sonhos , somente ...

Tata Junq

Um amor




Cá estou, novamente na torcida ... por uma partida bem sucedida. Na qualidade de mais um, desta Nação Alvinegra. Quero um herói, dois, três ... e sentir o gosto dos gooools!
Quero até utopicamente sentir o gosto da vitória, da virada, do ganhar. Mas hoje não há herói, nem rei, nem rainha ... só há garganta: "... sou, sou Gavião eu sou ... "vamu" Coringão!
E a garganta arranha e a boca cospe, somente, amor.
Amor, eterno _ Corinthians!!!